Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 9 Minutos
PARACHAT BO
Chemot (Êxodo) 10:1-13:16
Haftarah Irmeyah (Jeremias) 46:13-28
Por: Rabino Kabalista e Dayan David Amar
Rio de Janeiro – Brasil.
 “O Eterno disse a Moisés: Vai a Faraó, porque endureci o seu coração e o coração dos seus servos, para manifestar estes meus sinais no meio deles, e para que os digas diante de teu filho e do filho de teu filho. fiz no Egito, e os sinais que fiz no meio deles, para que saibais que eu sou o Senhor.  E Moisés e Arão foram a Faraó e disseram-lhe: Assim diz o Senhor, o D-us dos hebreus: Até quando recusarás humilhar-te diante de mim? Deixa ir o meu povo para que me sirva; se recusar a deixar ir ao meu povo, eis que amanhã trarei gafanhotos dentro de seus termos, que cobrirão a face da terra, de modo que a terra não será vista, e eles comerão o resíduo do que escapou, o que sobrou saraiva; e comerão toda árvore que vos crescer no campo”.
Esta perachá relata as últimas 3 pragas sofridas pelos egípcios.
HaEL (D-us) diz a Moisés para “ir” ao Faraó (Faraó).
Os hakhamin (Sábios) explicam que Mocheh (Moisés) tem medo de Faraó, pois o ameaçou dizendo que não queria vê-lo novamente, caso contrário o mataria, motivo pelo qual o Eterno não diz “Vá”, mas “Venha comigo”. Não, não se preocupe, estarei lá.  HaEL explica a Mocheh que é ELE quem endureceu o coração de Faraó, para não deixar sair os benei (filhos) de Israel.
HaEL jogou um jogo com o coração de Faraó.
Os egípcios consideravam o Faraó um deus.  No Egito não choveu, mas quando Faraó entrou no rio Nilo, aumentou sua vazão, o que fez com que os egípcios se espantassem com aquele acontecimento e afirmassem sua crença de que ele era de fato um deus, um homem santo.
O Eterno disse a Mocheh, que ele havia criado Faraó com uma estatura muito baixa (aprox. 70 cm), com uma barba muito longa que poderia varrer o chão.  HaEL queria que os egípcios mudassem sua percepção do faraó, degradando-o, mostrando-lhes sua maldade, suas más qualidades.
A Torá explica que todos os milagres que HaEL realizou no Egito e no deserto têm o objetivo de mostrar ao mundo que ELE é D’us e que Ele faz milagres para Seu Povo.  Mas para os egípcios causou todas as pragas e com elas trouxe dor e sofrimento.
Portanto, a mitsvá (mandamento) mais importante no Partido Pesa´h é “Lel HaSeder” (Ordem), a narração da saída do Povo de Israel da escravidão no Egito.
A mitsvá mais importante é a narração dos milagres de HaEL.  É mais importante, até do que comer matzá (pão sem fermento), porque a narração leva mais tempo e é necessário que o mundo saiba o que aconteceu.  Comer matzá é feito em um tempo mais curto e pontual.
Naquela noite de Pesa´h, quando os eventos ocorridos em cada casa judaica são narrados, HaEL desce à terra com milhões de anjos que acusaram o povo judeu, para ouvir a “Hagadah” (narração) e os impele a ouvir o que é dito, dele, da boca de seus filhos.
Mocheh diz a Faraó para deixar seu povo sair, caso contrário, a praga dos gafanhotos (8ª praga) será lançada, que consumirá tudo em seu caminho, tanto no campo quanto nas habitações.  Em cozinhas, camas, comida, banheiros, etc.
 “E trouxeram Moisés e Arão de volta à presença de Faraó, e ele lhes disse: Ide, servi ao Senhor vosso Deus.  Mas quem e quem são aqueles que irão?  10:8
Faraó manda chamar Mocheh e Aaron, porque seu povo está sofrendo e pergunta a eles quem irá adorar.  Ele quer um pequeno grupo para servir HaEL e voltar a trabalhar para ele, mas Mocheh respondeu que todos iriam, incluindo os animais.
 “(Portanto), não faça isso;  ide, homens, e servi ao Eterno, por isso pedistes.  E foram expulsos da presença de Faraó.”  10:11
Faraó lhe disse que somente os homens irão, os demais ficarão no Egito, porém, Mocheh responde que irão todos, o que gerou polêmica (makhloket) entre o que Faraó queria e o que HaEL disse através de Mochéh.  Ele o avisa que, se não fizer assim, haverá uma nova praga.  Mocheh e seu irmão Aharon, deixem o local.
 “E o Eterno disse a Moisés: Estende a tua mão sobre a terra do Egito para que os gafanhotos subam sobre a terra do Egito e comam toda a erva da terra, tudo o que deixou o granizo.  E Moisés estendeu sua vara sobre a terra do Egito, e o Senhor dirigiu um vento leste para a terra todo aquele dia e toda a noite.  E quando amanheceu, o vento leste levou os gafanhotos.  E subiram os gafanhotos sobre todo o país do Egito, e pousaram sobre todas as fronteiras do Egito.  (A praga foi) muito séria;  antes dela nunca houve uma lagosta como esta, nem haverá outra depois dela.  E cobriu a face de todo o país, e a terra escureceu;  e comeu toda a erva da terra e todo o fruto das árvores que o granizo havia deixado;  e não havia uma árvore ou planta verde no campo deixada em toda a terra do Egito.  Uma grande escuridão se originou, devido ao grande número de gafanhotos que invadiram o território egípcio.  Esses gafanhotos consumiram tudo em seu caminho.  Acabaram com toda a comida que sobrou da praga do granizo”.  10:12-15
Há uma história que aconteceu na época do Arizal (Ari HaKadosh): um dia ele estava ensinando Torá para seus alunos e no final anunciou que no dia seguinte haveria uma praga de gafanhotos, causada pela indolência de os habitantes da cidade, pois havia um Rabi e sua família que passavam por um período de fome e fome e ninguém havia se comovido com eles.  O rabino ficou muito triste e clamou ao céu.  HaEL ouviu a reclamação deles e decretou uma praga de gafanhotos naquele lugar.  Os alunos do Ari pediram seu endereço e foram ajudá-los, fornecendo-lhe trabalho e comida para toda a família, com o que o decreto da peste foi revogado.
 O egoísmo para com os outros promove a escassez de alimentos.
 “O faraó apressou-se a chamar Moisés e Arão e disse: Pequei contra o Senhor vosso Deus e contra vós!  Agora, por favor, perdoe meu pecado só desta vez e implore ao Eterno, seu Deus, que remova apenas esta morte de mim.  E saiu da presença de Faraó e orou ao Eterno.  E o Senhor fez voltar um vento oeste muito forte, que levantou os gafanhotos e os lançou no Mar Vermelho, e não ficou nenhum gafanhoto em todas as fronteiras do Egito.  Mas o Senhor endureceu o coração de Faraó, e ele não deixou ir os filhos de Israel”.  10:16-20
Faraó clamou pela presença de Mocheh e Aharon.  Mocheh faz tefillah (oração) a HaEL para remover a praga, com a qual ele enviou um vento que a varreu.  O coração de Faraó voltou a endurecer e ele não deixou o Povo sair.
 “E o Eterno disse a Moisés: Estende a mão para o céu e que haja trevas sobre a terra do Egito, e trevas palpáveis ​​(mais que a noite).  E Moisés estendeu a mão para o céu, e houve densas trevas em toda a terra do Egito por três dias.  E eles não se viram, nem ninguém se levantou de seus postos por três dias;  e para todos os filhos de Israel havia luz em seus quartos.  10:21-23
A nona praga correspondia à escuridão, densa como pedra, com a qual os egípcios não conseguiam se mover.  Durou três dias com suas noites.  Isso afetou apenas os egípcios.
 “E Faraó chamou Moisés e disse: Vai, serve ao Senhor;  apenas seu gado menor e seu gado maior permanecem;  suas criaturas também irão com você.  E Moisés disse: Você também tem que nos dar sacrifícios e holocaustos para que os ofereçamos ao Eterno nosso Deus.  E também nosso gado deve ir conosco;  Não sobrará nem um casco, porque dele temos que tirar para servir ao Eterno, nosso Deus, e não sairemos como serviremos ao Eterno até chegarmos lá”.  10:24-26
Faraó diz a ele que todos podem ir, exceto seus animais, mas Mocheh explica que eles devem ir com os animais também, eles levarão até os animais dos egípcios.
 “E o Eterno endureceu o coração de Faraó, e ele não os deixou ir.  E Faraó disse-lhe: Sai da minha presença!  Cuidado para não ver meu rosto novamente, porque no dia em que você ver meu rosto, você morrerá!  E Moisés respondeu: Disseste bem;  não verei mais a tua face.” 10:27-29
Faraó manda Mocheh sair de sua presença, que não quer mais vê-lo, pois o matará.  Mocheh responde que assim como ele disse, será feito, que ele nunca mais o verá.
 “O Eterno disse (havia dito) a Moisés: Ainda tenho que enviar mais uma praga sobre Faraó e sobre o Egito, depois da qual ele te deixará ir daqui;  quando ele te mandar, com certeza vai te expulsar daqui.  Fale, portanto, na presença do povo;  que cada homem peça ao seu parceiro (egípcio), e cada mulher ao seu parceiro, objetos de prata e objetos de ouro.  E o Eterno deu graça ao povo aos olhos dos egípcios;  e também o varão Moisés era mui grande na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó e aos olhos do povo”.  11:1-3
HaShem diz a Mochéh que haverá mais uma praga, a décima, que corresponderá à morte dos primogênitos.  Depois disso, eles poderão deixar o Egito, como foi prometido a Abraão, que trabalhariam por 400 anos, após o que partiriam com riquezas e receberiam a Torá 50 dias depois.
A riqueza material era composta de ouro, prata, dinheiro, etc. O povo de Israel sabia onde os egípcios guardavam suas riquezas, durante a praga das trevas.  Os Benei Israel pediram as riquezas aos egípcios que tentaram enganá-los com o que tinham, mas não conseguiram, pois os hebreus sabiam muito bem quanto e onde estavam.
Lembremos que 80% do povo judeu pereceu na praga das trevas, porque não confiaram em HaEL e em seu servo Mocheh.  Estes foram enterrados durante a praga das trevas, impedindo assim que este evento fosse conhecido.
 “E disse Moisés: Assim diz o Senhor: Por volta da meia-noite sairei pelo meio do Egito, e todos os primogênitos na terra do Egito morrerão, desde o primogênito de Faraó, que se assentará em seu trono, até o primogênito da escrava que está atrás da mó, e todos os primogênitos dos animais.” E haverá um grande clamor em toda a terra do Egito, como nunca houve e nunca haverá. Mas nem um cachorro se moverá sua língua contra qualquer dos filhos de Israel, nem contra homem nem contra animal, para que saibas que o Senhor faz distinção entre os egípcios e Israel. E todos estes teus servos descerão a mim e se prostrarão diante de mim, dizendo , “Sai tu com todo o povo que te segue.” , e depois disso eu sairei. Imediatamente ele saiu da presença de Faraó em uma ira ardente.” 11:4-8
Mocheh diz neste passuk (verso): “Por volta da meia-noite”. Ele não dá um tempo preciso, para evitar que os feiticeiros de Faraó se antecipem à ordem de HaEL de matar os primogênitos.
As pragas foram causadas por Mocheh e Aharon, mas está última praga é de HaEL.  ELE matará os primogênitos do Egito.
Faraó tem muitas mulheres, com quem teve filhos, portanto, tem muitos primogênitos que morrerão durante esta última praga da morte.
Houve um clamor muito forte, e acusações contra Faraó pelas referidas mortes.
HaEL explica ao Benei Israel que ninguém irá perturbá-los quando eles deixarem o Egito, nem mesmo os cachorros irão latir.  Será uma partida apressada, mas em paz.
 “E o Eterno disse a Moisés: Faraó não te ouvirá, para que minhas maravilhas se multipliquem na terra do Egito.  E Moisés e Arão fizeram todas essas maravilhas diante de Faraó, e o Senhor endureceu o coração de Faraó, e ele não deixou os filhos de Israel saírem de sua terra”.  11:9,10
Faraó saiu para a rua de pijama naquela noite de dor, clamando por Mocheh e Aharon.  Antes ele havia avisado que não queria vê-los novamente, mas devido à grande dor, ele quer a ajuda deles.
O Midrash nos conta que as crianças judias brincavam dizendo: “Não, Mocheh não está ali, ele está naquele lugar.”  Outros diziam: “Não, ele não é…” Eles zombavam dele, zombando dele.  Eles o imitaram, degradando-o em sua investidura e sabedoria.
Pelos méritos de Mocheh, Aharon e seus milagres, HaEL logo enviará Machiah Ben David, que fará milagres maiores do que os que ocorreram naquela época, e o terceiro Templo de Yerushalayim é construído.
Amén, Ken Yehí Ratzón.
Chabat Chalom umevorakh  para todos os amigos do Rabino David Amar e todos do K”K Chaare Chalom !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *