Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 2 Minutos

(Rabino Yehuda Appel)

Nos tempos do Templo Sagrado, o status hereditário era algo que foi orgulhosamente preservado pelos Cohanim, as famílias sacerdotais. Os Cohanim tinham a responsabilidade de realizar o serviço no templo de D’us e atuar como líderes espirituais do povo.

Desde a destruição do templo, no entanto, as oportunidades disponíveis para Cohanim servir à nação diminuíram consideravelmente. De fato, hoje em dia, a única vez que um Cohen realmente cumpre esse papel é realizar um Pidyon HaBen e recitar a bênção sacerdotal, encontrada na porção da Torá desta semana, Nassô:

יְבָרֶכְךָ יהוה, וְיִשְׁמְרֶךָ
יָאֵר יהוה פָּנָיו אֵלֶיךָ, וִיחֻנֶּךָּ
יִשָּׂא יהוה פָּנָיו אֵלֶיךָ, וְיָשֵׂם לְךָ שָׁלוֹם

“Que D’us te abençoe e te guarde.
Que D’us brilhe seu semblante sobre ti e seja gentil contigo.
Que D’eus levante seu semblante sobre ti e lhe dê paz.”

O Ohr HaChaim explica o primeiro versículo como significando que a quantidade de sucesso que lhe foi concedida deve ser tão grande que precisa de proteção especial. O segundo versículo é uma bênção de que devemos estar muito perto de D’us e receber a motivação de fazer o bem. O versículo final afirma a esperança de que todos os impedimentos que causamos em nosso relacionamento com D’us sejam deixados de lado e que possamos alcançar a verdadeira paz através da nossa integridade com D’us.

Hoje, tornou-se costume os pais usarem essas belas palavras para abençoar seus filhos todas as noites de sexta-feira à mesa do Shabat.

Talvez não seja coincidência que a mais antiga descoberta arqueológica de um versículo bíblico tenha sido as palavras da bênção sacerdotal encontrada em um amuleto, que remonta a 2.500 anos.


Os judeus sefardi dizem a bênção todos os dias, mesmo na diáspora. Já os ashkenazim, essa bênção é recitada pelos Cohanim no culto diário da manhã em Israel e nos feriados da diáspora.

O procedimento real da bênção sacerdotal, no entanto, envolve mais do que o simples enunciado de palavras. De fato, na tradição mística judaica, o posicionamento das mãos do Cohen durante a bênção é tão importante quanto as próprias palavras. Os dedos do Cohen estão alinhados de maneira a representar o nome inefável de D’us. Além disso, a mão direita (que representa bondade) deve ser levemente elevada acima da mão esquerda (representando julgamento). Tudo isso é projetado para atrair a presença de D’us para a congregação.

Birkat Cohanim – A benção sacerdotal

O efeito da bênção não se limita à congregação, no entanto. A bênção sacerdotal contém sessenta cartas, que representam as 60 miríades (600.000 pessoas) que estavam no Monte Sinai para receber a Torá. Estes correspondem às 600.000 almas protótipo que se diz existir na criação. Quando os Cohanim recitam a bênção – com 60 letras – a benção é trazida a todo judeu.

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *