Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 8 Minutos
  1. Introdução – Os dez significados de cada uma das vinte e duas letras do alfabeto hebraico – “os blocos de construção da Criacão” – como são chamadas na antiga obra mística Sêfer Yetsirá (Livro da Criação).

 

  1. Resumo dos dez significados do Alef-Bet

(1) Conceito – O princípio conceitual subjacente associado com a letra.

(2) Significado – O significado literal do nome da letra.

(3) Formato – A associação visual primária relacionada ao formato das letras.

(4) Número – O valor numérico da letra segundo calculado pela Guematria.

Correspondências básicas nas três dimensões de:

(5) Espaço – Os elementos físicos, os corpos celestiais e os signos do zodíaco.

(6) Tempo – As estações, os dias da semana e os meses do ano.

(7) Alma – Os membros e órgãos do corpo humano, responsáveis por mediar experiências relacionadas com o “eu”.

Associados:  (8) Qualidade, dom ou sentido – Expressões inatas ou adquiridas de experiência vivida, controlada pelos membros acima e órgãos da alma.

(9) Arquétipo – Figuras arquetípicas da história de Israel.

(10) Canal –  Os canais horizontais, verticais e diagonais conectando as Dez Sefirot (Rabi Moisés de Leon, cabalista espanhol do século XIII, escreveu: “As dez sefirot (emanações divinas) são o segredo da existência, o aparato da sabedoria, o meio pelo qual os mundos de cima e de baixo foram criados”…). [1]

 

  1. A LETRA BET

 

Conceito O propósito da Criação: uma morada para D’us neste mundo inferior.
Significado Casa.
Formato Um cercado de três lados, aberto no lado esquerdo, “lado norte”.
Número 2
Espaço Lua.
Tempo Domingo.
Alma Olho direito.
Dom Sabedoria.
Arquétipo Avraham.
Canal De chochmá a chessed.

 

III. Significado de ב, místico ou não – Bet na gematria simboliza o número 2 (dois).

Como um prefixo, a letra bet pode funcionar como uma preposição, significando “em” ou “com”.  O Bet é a primeira letra da Torá. Como Bet é a número 2 na gematria, diz-se que isto simboliza que existem duas partes na Torá: a Torá Escrita e a Torá Oral.

Rashi (Rabino Shlomo Ben Isaac, uma das abreviaturas mais famosas de exegese judaica, Troyes, 1040-1105E.C.).afirma que a letra é fechada em 3 de seus lados e aberta no outro; isto ensina que se pode questionar sobre o que ocorreu depois da criação, mas não sobre o que ocorreu antes dela, ou sobre o que está em cima dos céus ou abaixo da terra.

Na teoria dos conjuntos, os números beth representam os poderes de conjuntos infinitos. [3]

  1. O significado oculto das letras – Cada uma das 22 letras hebraicas leva a uma revelação espiritual que um cabalista sentiu.

Todas as várias combinações das letras – as palavras, sentenças e frases encontradas nos livros sobre cabala – que mostram toda a realidade espiritual que foi atualmente sentida pelos cabalistas que escreveram tais livros.

Essa realidade está disponível para cada e um de nós. Podemos avançar no caminho que nos leva ao criador, gradualmente, expandindo nosso entendimento e sensação do interno (oculto) significado de cada letra. Nós vamos então descobrir cada camada após camada da realidade spiritual.

É como subir uma montanha cujas pedras são as letras – as qualidades do mundo espiritual.Entretanto,o criador é posicionado no topo da montanha, e nós, lá embaixo, no chão. É por isso que o livro do Zohar fala sobre as letras na ordem inversa, começando com TAV e terminando com ALEPH; está nos dizendo, da nossa perspectiva, como subir o ‘caminho’ até o topo da montanha para chegar ao criador, de baixo para cima.

Isso nos traz a essência da história do livro do Zohar (“esplendor”) sobre as letras – que não é falar sobre elas, mas é, sem dúvida, descrever a jornada interna espiritual da pessoa. Começamos tal jornada de um estado onde estamos completamente remotos do criador (representado pela última letra do alfabeto – TAV).

Então, passo a passo, passamos por todas as letras (estados espirituais) até finalmente chegar a total revelação de sua atitude conosco – de perfeito amor e integridade (representada pela letra BET). Quando chegamos a esse estado espiritual, descobrimos seu amor em relação a nós e ganhamos a habilidade de amá-lo. Através dessa nova atitude, ascendemos a nada mais, nada menos do que o próprio nível do criador. Nesse ponto, descobrimos mais uma letra – a letra ALEPH, que é cabeça do alfabeto. [4]

  1. Os Canais –Cochma e Chessed
  2. Cochma- Chochmá, sabedoria – é o pensamento puro que D’us utiliza para o funcionamento do universo. É o poder da Luz Original, a força primordial usada para criar os céus e a terra. Chochmá é a inspiração inicial da qual o Cosmo evoluiu. É vista como “a planta” usada para a criação do universo físico e espiritual, pois contém – potencialmente – todas as leis que vão reger a Criação e os axiomas que determinam como estas leis funcionam. É a raiz dos elementos espirituais: fogo, água, terra e ar. Sua essência é também incompreensível para nós.
  3. Chessed – Chessed, graça, amor e bondade que nos beneficiam; a grandeza (Guedulá) do amor. Esta sefirá representa o dar incondicional, o altruísmo, o impulso incontrolável de expansão. É D’us dando-se às Suas criaturas de forma irrestrita, abrindo todas as portas da Sua Abundância. D’us usou este atributo como o instrumento supremo no processo da Criação.[5]
  4. ToráPor que a Torá começa com a letra bet e não alef, se ela é a primeira do alfabeto judaico? Como cada detalhe na Torá, existem inúmeras explicações para o fato da Torá começar com a letra bet, ao invés do alef – a 1º letra do alfabeto.
    Vamos citar algumas delas: A letra bet remete a palavra “beracha”, que significa benção, enquanto a letra alef remete a palavra “arira”, que significa maldição.
    A letra bet, de valor numérico dois, indica os dois mundos criados por D’us: este mundo e o mundo vindouro.

    A letra bet é uma dica para as duas Torot, a Torá Escrita e a Torá Oral, para ensinar que o mundo existe pelo mérito da Torá. Observando o formato da letra bet, notamos que de um lado ela é toda fechada, e há uma abertura para a parte que é seguida pelo texto. Daqui aprendemos que o que veio antes de “Bereshit” é oculto para nós, e somos capazes de saber apenas aquilo que veio depois e está escrito na Torá.

  5. O Midrash nos relata: As letras disputam uma valiosa oportunidade
    As letras do Alef Bet reuniram-se ao redor de D’us, ansiosas com antecipação e entusiasmo.

A letra que tivesse sorte seria em breve escolhida por D’us para começar a 1º palavra da sagrada Torá, o tesouro mais precioso do mundo. Qual das letras seria? Cada uma delas esperava que D’us a escolhesse dentre todas, e juntas clamavam por atenção.

“Por favor, D’us, comece comigo a Torá!” – gritavam todas de uma vez.

A letra Tav empurrava as outras para chegar à frente. “D’us”– gritava ela, “sou a mais importante de todas as letras! Sou Tav, a 1º letra da palavra Torá! Sei que cada letra do Alef Bet equivale a um número; sou igual a 400, o maior valor delas todas! Não concorda que meu lugar é no princípio da Torá?!

“Temo que não” – respondeu D’us – “porque um dia usarei você como um mau sinal. Daqui a muitos anos, usarei você, Tav, para marcar os perversos que merecem morrer.” Ao ouvir estas palavras, Tav saiu, profundamente desapontada.

A letra Shin adiantou-se confiante. Curvou-se e implorou em voz alta: “Por favor, D’us, use-me como a 1º letra de Sua Torá! Após o Tav, sou o número mais alto do Alef Bet, com valor de 300. Até estou no início de um de Seus sagrados nomes, Sha-dai.”

“De forma alguma” – replicou D’us – “pois embora seja verdade que você é importante, Shin, você começa o nome de coisas tão odiosas como shav, significando falsidade, e sheker, que quer dizer mentira. Odeio mentiras e falsidade; construí Meu mundo sobre a verdade.” Shin saiu, rejeitada.

Isto não desencorajou a letra Resh de aproximar-se do trono de D’us. Acreditava ter um argumento convincente.

“Tenha misericórdia de mim, D’us” – apelou ela – “e honre-me com o início de Sua Torá. É conhecido como o D-us de Misericórdia, e sou a 1º letra da palavra Rachum, que significa misericordioso. Eu poderia também mencionar que sou o começo da palavra refuá, cura…” A voz de Resh extinguiu-se constrangida, porque sabia que D’us recusaria seu pedido.

Seus temores se confirmaram, pois D’us explicou: “Daqui a muitos anos a partir desta data, Moshê Rabênu levará os judeus através do deserto, como um líder. Alguns judeus ingratos não ficarão satisfeitos em ter Moises como líder. Resmungarão em seu íntimo: ‘Preferimos servir ídolos no Egito que servir D’us como homens livres no deserto.’

Eles clamarão: ‘Vamos nos rebelar contra Moshê, escolher outro líder e retornar ao Egito.’
“Está ciente, Resh” – perguntou D’us – “que é a 1º letra da palavra rosh (líder) a ser proclamada pelos judeus rebeldes?”
“Para piorar as coisas” – continuou D’us – ” é o início da palavra ra, que significa mal, e rashá, uma pessoa perversa.”

A letra Resh entendeu que não seria aceita e concordou relutantemente.
Rapidamente a letra Cuf agarrou sua chance.

“E eu?” – aventurou-se. “Sou uma letra maravilhosa. Quando os judeus forem rezar, usar-me-ão para iniciar a prece de kedushá. Proclamarão: ‘cadosh, cadosh, cadosh; santo é D’us.”

“Mesmo assim,” insistiu D’us, “você não pode ser a 1º letra da Torá. É o começo da palavra kelala, uma maldição. Não quero que pessoas perversas digam: ‘Quando D’us fez o mundo, Ele o amaldiçoou; por isso começou a Torá com a letra Kuf.’”

Uma a uma, as outras letras ficaram perante o Trono de D’us, tentando garantir para si a glória de tornar-se o início da Torá. Adularam, suplicaram, imploraram e argumentaram, sem resultado. D’us recusou-as todas.

Por fim, restaram apenas duas letras – o Alef e o Bet. Haviam esperado, tornando-se mais e mais tensas à medida que o tempo passava. Bet estava tão nervoso pela longa espera que o pontinho dentro dele estremecia como um coração batendo.

“Por favor, D’us” – gritou, como que soluçando de entusiasmo – “eu queria tanto ser a 1º letra da Torá! Estou no início de muitas coisas boas. Seus filhos, os judeus, recitam Suas preces na sinagoga: ‘Barechu D’us – louve a D’us; e: ‘Baruch Shem kevod Malchutô Leolam Vaed – Louvado seja o grande nome de D’us para todo o sempre; e: ‘ Baruch D’us Leolam Amen veaAmen – Louvado seja D’us para sempre, amen e amen.’

Todas estes louvores começam com um Bet!”

Desta vez D’us concordou. “Sim” – disse ele. “Começarei a Torá com você. Bet é o início de berachá, bênção. Quero que todo o povo da terra saiba que Eu os amei e os abençoei. Por isso a Torá terá início com um Bet, com a palavra Bereshit.”

Ao ouvir que o Bet havia sido escolhido, o Alef afastou-se em silêncio.  “Alef” – chamou D’us – “não quer pedir por si mesmo também?”  Alef suspirou: “Sou uma letra tão insignificante,” disse humildemente. “Todas as outras letras do Alef Bet valem mais que eu. O Bet vale 02, o Guímel 03, o Dalet 04 – mas sou apenas um número pequeno, equivalente ao número 01.”

“Pelo contrário, Alef!” – exclamou D’us. “Você, Alef, é o rei de todas as letras! Você é um, e Eu sou Um, e a Torá é uma.  “Por isso, quando Eu outorgar a Torá no Monte Sinai, começarei com ninguém menos que você. Alef estará no início dos Dez Mandamentos, ‘Anochi Hashem’ ‘Eu sou D’us.’” [6]

 

Fontes:

[1] Chabad: http://www.chabad.org.br/datas/shavuot/a%20tora/significados.html

[2] Chabad:  http://www.chabad.org.br/datas/shavuot/a%20tora/significados.html

[3] Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bet

[4] Cabalá Hoje: http://cabalahoje.blogspot.com/2009/01/o-que-tem-num-nome.html

[5] Revista Morashá: http://www.morasha.com.br/conteudo/ed29/sefirot.htm

[6] Chabad: http://www.chabad.org.br/interativo/faq/tora_bet.html

Coordenador: Saul Stuart Gefter



8 Responses

  1. Amo a Cultura judaica e a Guematria é um dos Segmentos que desejo obter mais conhecimento.
    A exposição do Texto sobre cada Letra do Alfabeto Hebraico e o Resumo dos Significados:
    Iluminou ainda mais o meu entendimento.
    Todáh!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *