Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 3 Minutos

Há quinze dias, contei uma história que envolvia Inês de Castro, amante de Pedro I de Portugal, transformada em rainha após a morte. Esta história, propositalmente, transformei em estória, ao afirmar que Inês de Castro tinha sido a matriz da Casa de Bragança que, sendo judia, havia ofertado aos descendentes, o judaísmo que lhe corria nas veias.

Mais de 30 mil leitores passaram os olhos nestes escritos e centenas fizeram comentários. Apenas três leitores colocaram em dúvida o que escrevi e estavam cobertos de razão. Não sabiam que o fiz para testar conhecimentos.

Na hora concordei com eles, por escrito, no corpo do editorial. Poucos prestaram a atenção.As premissas daquele texto são todas verdadeiras.

Inês de Castro, de verdade, foi amante do então príncipe Dom Pedro I de Portugal. Foi coroada rainha pelo amante, depois de assassinada a mando do rei que foi afastado do trono pelo filho, mas não deu início à dinastia de Bragança e muito menos tem algo que ver com os Orleans.

Agora, sim, vou contar de verdade a parte da história dos Bragança que interessa neste momento.Tudo começou com a paixão de Dom João I pela filha de um sapateiro judeu conhecido em Veiros pelo nome de Barbadão, onde nasceu e viveu.

Com esta rapariga, filha do Barbadão, Dom João I de Portugal teve dois filhos bastardos. Brites, uma linda moçoila e Afonso, já herdeiro de muitas terras, que se casou com Beatriz, a única filha do grande guerreiro Nuno Alves Pereira que pelos serviços prestados ao rei em diversas batalhas contra os mouros e espanhóis, recebeu uma enormidade de terras em diversas regiões de Portugal.

Nuno Alves Pereira, mais à frente, recolheu-se a um mosteiro e deixou todas as terras que obtivera, para a filha única Beatriz, aquela mesma casada com Afonso, filho bastardo de Dom João I e neto de Barbadão, o sapateiro judeu de Veiros.

Dom Afonso muito rico em terras e de posse de tantos bens, fundou o ducado de Bragança. Mais adiante, o oitavo duque de Bragança inaugurou a quarta dinastia da monarquia portuguesa, recebendo o nome de Dom João IV e o título de O Restaurador, em função da guerra pela restauração da independência de Portugal em relação à Espanha. Reinou em Portugal desde 1640 até 1656, quando faleceu.

Aí está, incontestavelmente, a origem judaica da Dinastia de Bragança. Não foi sem propósito que Dom Pedro II foi à Jerusalém de onde trouxe para o Brasil, rolos da Torá. Havia motivos hereditários para que o imperador brasileiro aprendesse o hebraico e neste idioma se comunicasse verbalmente e por escrito.

Esta e muitas outras histórias nunca foram contadas na plenitude do acontecimento dos fatos.

A grande e incontestável verdade é que europeus conseguiram culpar judeus de envenenarem rios, de trazerem peste, de terem sido sempre os responsáveis pelo mau tempo e consequentemente pelas magras colheitas, pelo empobrecimento e pela desgraça dos povos, tudo isto estimulado, com finalidade certa, pelas mais variadas vertentes da Igreja Católica Apostólica Romana, acompanhadas pelos luteranos que também se especializaram em queimar judeus e escritos ligados à fé de Moisés.Milhões de vidas de judeus foram ceifadas antes da hora, fruto do ódio arraigado e patenteado contra o Povo do Livro.

As façanhas de judeus em todos os fatos históricos ocorridos na Idade Média, no tempo em que as comunicações eram muito difíceis de serem estabelecidas, sempre foram contadas pelos vitoriosos, todos sempre apadrinhados pelas igrejas e a estas ligados e escondendo o que lhes interessava.

Quanto aos judeus, como todos sabemos, eram classificados como pagãos. Sem batismo e portanto sem padrinhos. Isto também significava sem voz e sem vez!

Tenho sim, uma dúvida! Caso não tivessem os nossos antepassados sido aniquilados, será que estaríamos vivendo num mundo melhor?

Creio que sim!!!

Ronaldo Gomlevsky

 



2 respostas

  1. como é bom ouvirmos a história verdadeira que aconteceu, e tudo o que nos foi tirado e poderíamos viver bem melhor!Até hoje vemos como o ódio aos filhos de Deus! Mas tudo o que está escrito na lei e nos profetas está se cumprindo e o mau a cada dia se sujando mais e os justos se limpando mais! Aquele que busca Adonai nunca será desamparado pois ele é o único Deus vivo, nos vê ,nos ouve.Ele irá julgar todos os atos da humanidade e muitos se arrependerão, mas será tarde!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *