Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 4 Minutos

(Por Rabi Yehonasan Gefen)

A Torá nos diz que quando o povo judeu estava se preparando para deixar o Egito, Moisés estava envolvido na mitsvá de levar os restos mortais de Yossef (José) para serem enterrados em Israel. O Talmud em Sotah cita um versículo do livro de Josué que parece contradizer o relato da Torá aqui; o versículo ali afirma que o povo judeu, não Moisés, trouxe os ossos de José para Israel. O Talmud responde com um princípio de que se uma pessoa começa uma mitsvá e outra pessoa a completa, então a Torá credita aquele que a completa como tendo cumprido a mitsvá. Como Moisés apenas iniciou a mitzvá de enterrar José, mas não a completou, não é creditada a ele, mas sim ao povo judeu, que a completou.

Há outro Midrash que parece contradizer este conceito. O Midrash Shocher Tov diz que o Rei Davi é creditado com a construção do Templo, como diz nos Salmos, “Mizmoor shir Chanukas habayis leDavid, (Uma canção, um Salmo da inauguração do Templo para Davi)1” – embora Davi apenas começou a construção, mas não a concluiu. Isso implica que o crédito principal é atribuído ao ‘iniciante’, não ao concluinte2. Rav Moshe Feinstein resolve esta contradição: Ele escreve que se aquele que começou não completou a mitsvá sem culpa própria, então ele é creditado com isso, mesmo que ele não tenha terminado. No entanto, se ele carrega mesmo a menor culpa por não cumprir a mitsvá, então ela é creditada ao completador.

O rei Davi não teve absolutamente nenhuma responsabilidade por sua incapacidade de completar a construção do Templo. D’us lhe disse que ele não poderia fazê-lo, portanto, sua construção é atribuída a ele. Em contraste, Moisés não pôde cumprir a mitzvá de enterrar José porque ele não foi autorizado a entrar em Israel devido ao seu pecado de bater na rocha3.

A culpa de Moisés neste caso é mínima, mas é suficiente negar-lhe o mérito da mitsvá do sepultamento de José. O mesmo é certamente verdade para situações em nossas vidas quando temos a oportunidade de cumprir algum tipo de mitsvá, mas deixamos de fazê-lo por causa de nossa falta de persistência. Isso se aplica ao aprendizado – quando uma nova aula começa, geralmente há um grande número de pessoas presentes, mas à medida que as semanas passam, aparecem cada vez menos.

Outra área comum de falha na persistência é o crescimento espiritual. Por exemplo, em certas ocasiões, como o Aseres Yemay Teshuva (dez dias de arrependimento) ou tempos de sofrimento, as pessoas são inspiradas a assumir compromissos de crescer de uma certa maneira. No entanto, com o passar do tempo, esses empreendimentos muitas vezes se tornam memórias distantes. Quais são as sugestões que podem tornar mais provável que seremos capazes de persistir com nossos compromissos?

O Chofetz Chaim escreveu a grande obra da lei judaica, Mishna Berurah ao longo de 25 anos – durante este tempo ele sofreu muitas tribulações que impediram a escrita do livro. A grande maioria das pessoas teria capitulado sob tais dificuldades, vendo-as como um sinal de que esse empreendimento não deveria ter sucesso. No entanto, o Chofetz Chaim percebeu que todos os desafios para impedir que o Mishna Berurah fosse escrito. Assim, ele persistiu e conseguiu escrever um dos livros mais importantes dos últimos cem anos. Ele foi capaz de persistir porque reconheceu a importância vital do que estava tentando fazer. Isso lhe permitiu superar todos os desafios e completar o Mishna Berurah. Isso nos dá uma ideia de como ter sucesso em nossos empreendimentos – se pudermos permanecer focados no significado do que estamos tentando fazer, teremos mais chances de persistir.

Pode-se argumentar que realmente temos momentos de inspiração em que, como o Chofetz Chaim, reconhecemos o significado de nossos projetos. No entanto, com o tempo é difícil manter este nível de inspiração e não conseguimos persistir. Rav Chaim Shmuelevitz aborda este problema4. Ele discute o caso de Palti ben Layish. Davi se casou com a filha do Rei Saul, mas Saul acreditava ser um casamento inválido e deu Mical para se casar com Palti. Palti suspeitou que o casamento de David era válido, portanto, comprometeu-se a não tocar em Mical. Logo no início de seu ‘casamento’ ele enfiou uma espada entre eles e disse que quem agir de forma imprópria deveria ser atingido por essa espada5. Rav Shmuelevitz pergunta, o que exatamente esse ato alcançou? Se sua inclinação o vencesse, como a espada o impediria? Era ele que enfiava a espada e podia retirá-la quando quisesse.

Rav Shmuelevitz explica que no início deste teste Palti obteve um poderoso reconhecimento de quão terrível seria fazer tal impropriedade. No entanto, ele temia que com o passar do tempo essa clareza enfraquecesse e ele pudesse cair nas tentações do yetzer hara (inclinação negativa). Para evitar que isso acontecesse, no momento da inspiração ele enfiou a espada entre eles e essa espada serviria como um lembrete do poder de suas convicções iniciais.

Assim também em nossas vidas experimentamos momentos de inspiração em que atingimos um elevado senso de consciência de um assunto importante. Mas a inspiração muitas vezes se desgasta. Vemos pela discussão acima que uma maneira de manter a inspiração é fazer um ato concreto imediatamente, e esperamos que esse ato ajude a manter o ritmo. Um exemplo disso é quando ouvimos uma poderosa sabedoria de que devemos agir de acordo com ela, começando imediatamente a colocá-la em ação. Outro exemplo é quando atingimos um senso elevado de proximidade com D’us que tentamos fazer algo para ajudar a lembrar e aproveitar aquele momento. Rav Noach Orlowek sugere tirar uma ‘fotografia’ interna daquele momento para que você possa sempre ‘olhar para ele’ quando quiser inspiração e aproveitar aquele momento poderoso. Essas são maneiras possíveis pelas quais podemos nos esforçar não apenas para iniciar os empreendimentos, mas também para completá-los.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *