Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 6 Minutos

Para começarmos, segue um vídeo de um belo casamento sefaradi de Chicago.

Chicago Sephardic Wedding VIdeography / Jewish Orthodox

Jewish Sepharadic wedding at the Westin O’Hare. http://www.frontrowviewfilms.com 312.344.3819 All Front Row view films Videos are unique , we are one of the most creative Sephardic wedding videographers in Chicago. We specialize in producing unusual, fun ,and creative cinematic wedding videos.

 

Um casamento judaico tradicional é cheio de rituais significativos, simbolizando a beleza da relação de marido e mulher, bem como suas obrigações para com o outro e com o povo judeu.

O guia a seguir explica a beleza e a alegria destas tradições do casamento judaico.

A seguir, temos informações tanto dos costumes sefaradi quanto ashkenazi. Lembrando que mesmo esses costumes e tradições podem varias de comunidade para comunidade.

O dia do casamento

Ao amanhecer do dia do casamento anuncia o dia mais feliz e mais sagrado da vida de uma pessoa. Este dia é considerado um Yom Kippur pessoal para o chatan (hebraico para o noivo) e kallah (noiva), porque nesse dia todos os seus erros do passado são perdoados já que se fundem em uma nova alma, completa.

Como no Yom Kippur, tanto o chatan e kallah jejuam (neste caso, desde o amanhecer até após a conclusão da cerimônia de casamento). É costume entre os ashkenazi, na cerimônia, o chatan usa um kittel, a túnica branca tradicional usada no Yom Kippur. Já os Sefardi não têm o costume de jejuar e usar um kittel.

Kabbalat Panim

É habitual para o chatan e kallah não ver um ao outro por uma semana antes do casamento. Isso aumenta a antecipação e entusiasmo do evento. Portanto, antes da cerimônia de casamento, o chatan e kallah cumprimentam os convidados separadamente. Isso é chamado de “Kabbalat Panim.”

A tradição judaica compara o casal para uma rainha e rei. A kallah será assentado em um “trono” para receber seus convidados, enquanto o chatan está rodeado por convidados que cantam e brindam com ele.

Neste momento há uma tradição Ashkenazi para a mãe da noiva e a mãe do noivo de estarem juntos e quebrar um prato. A razão é mostrar a seriedade do compromisso – assim como um prato nunca pode ser totalmente reparado, assim também um relacionamento quebrado nunca pode ser totalmente reparado.

Badeken

Em seguida vem o badeken, o véu do kallah pela chatan. O véu simboliza a ideia de modéstia e transmite a lição de que aparências físicas por mais atraentes que venham a ser, a alma e caráter são fundamentais. É uma reminiscência de Rebecca cobrindo o rosto antes de se casar Isaac (Bereshit/Gênesis, cap. 24).

O costume Ashkenazi é que o chatan, acompanhado pela família e amigos, prossegue para onde o kallah está sentado e coloca o véu sobre o rosto. Isso sinaliza o compromisso do noivo para vestir e proteger sua esposa.

Chuppah

A cerimônia de casamento acontece sob a chupá (dossel), um símbolo da casa que o novo casal vai construir juntos. Ele está aberto em todos os lados, assim como Abraão e Sara tiveram sua tenda aberta para todos os lados para acolher as pessoas em hospitalidade incondicional.

O costume Ashkenazi é ter a cerimônia da chuppah ao céu aberto sob as estrelas, como um sinal da bênção dada por D’us ao patriarca Avacham (Abraão), que seus filhos devem ser “como as estrelas dos céus” (Bereshit/Gênesis 15: 5). Já os Sefardi geralmente têm a chuppah dentro de casa.

O costume Ashkenazi é que o chatan e a kallah  não usem  nenhuma jóia sob a chupá. Seu compromisso mútuo baseia-se em quem eles são pessoas, não bens materiais.

A kallah segue o chatan, e ambos são geralmente escoltados para a chupá pelos respectivos conjuntos de pais.

Sob a chupá, o costume Ashkenazi é que o kallah circunda os chatan sete vezes. Assim como o mundo foi construído em sete dias, a kallah é figurativamente construir as paredes do novo mundo do casal juntos. O número sete também simboliza a totalidade e integridade que eles não podem atingir separadamente.

A kallah então se instala no lado direito do chatan. Neste ponto, o costume Sefardi é que o chatan diz a bênção She’hecheyanu sobre uma nova talit, e tem em mente que a bênção também vai para o casamento. O talit é então segurada por quatro homens jovens sobre a cabeça do chatan e kallah.

Bênçãos de Noivado (Kiddushin)

Dois copos de vinho são usados na cerimônia de casamento. O primeiro copo acompanha as bênçãos de noivado, recitados pelo rabino. Após estes são recitados, o casal bebe do copo.

Vinho, um símbolo de alegria na tradição judaica, é associado com Kiddush, a oração santificação recitada no Shabat e festivais. Casamento, chamado Kiddushin, é a santificação do homem e da mulher para o outro.

As alianças

Na lei judaica, o casamento torna-se oficial quando o chatan dá um objeto de valor para a kallah. Isto é, tradicionalmente, realizada com um anel. O anel deve ser feito de ouro puro, sem manchas ou ornamentação (por exemplo, pedras) – assim como espera-se que o casamento será de beleza simples.

O chatan agora leva o anel de casamento na mão, e na visão clara de duas testemunhas, declara a kallah: “Eis que você está prometida a mim com este anel, de acordo com a lei de Moisés e Israel.” Ele então coloca o anel no dedo indicador da mão direita da noiva. De acordo com a lei judaica, este é o momento central da cerimônia de casamento, e neste momento o casal está totalmente casado.

Se a kallah também quer dar um anel para a chatan, isso só é feito depois, não sob a chupá. Isso é para evitar confusão quanto ao que constitui o casamento real, como prescrito pela Torá. Nessa aliança estará escrito: Ani LeDodi VeDodi Li – Eu sou do meu amado e meu amado é meu (Shrim B’Shrim/Cântico dos Cânticos 6:3).

Ketubah (contrato de casamento)

1958284_652030151499431_1854059316_n
Ketubah do casal André e Valéria Ranulfo

Agora vem a leitura do ketubah (contrato de casamento) no texto original aramaico. A ketubah descreve várias responsabilidades do chatan – para fornecer sua esposa com comida, abrigo e roupas, e estar atento às suas necessidades emocionais. Proteger os direitos de uma esposa judia é tão importante que o casamento não pode ser celebrado até que o contrato tenha sido concluído.

O documento é assinado por duas testemunhas, e tem a reputação de um acordo juridicamente vinculativo. O ketubah é propriedade da kallah e ela deve ter acesso a ele todo seu casamento. Muitas vezes, é escrito em meio a belas obras de arte, emoldurado e exibido na casa.

A leitura do ketubah atua como um intervalo entre a primeira parte da cerimônia – Kiddushin ( “compromisso”), e a última parte – nissuin ( “casamento”).

Os Sete Bênçãos

As sete bênçãos (Sheva Brachot) são agora recitadas durante o segundo copo de vinho. O tema dessas bênçãos liga o chatan a kallah para a nossa fé em D’us como Criador do mundo, Doador de alegria e amor, e o máximo Redentor do nosso povo.

Essas bênçãos são recitadas pelo rabino ou outras pessoas que as famílias desejam honrar.

Na conclusão das sete bênçãos, o chatan e a kallah novamente beber um pouco de vinho.

Quebra das taças

Uma taça é agora colocado no chão, e o chatan estilhaça-lo com o pé. Isto serve como uma expressão de tristeza com a destruição do Templo de Jerusalém, e identifica o casal com o destino espiritual e nacional do povo judeu. Um judeu, até mesmo no momento de maior alegria, é a materialização de que diz o salmista com “Jerusalém à minha maior alegria.”

Em tom de brincadeira, alguns explicam que esta é a última vez que o noivo chega a “bater com pé” para sua esposa. Em Israel, o costume Ashkenazi é que o vidro seja quebrado antes da leitura da ketubá. Sefardi sempre quebra o vidro no final da cerimónia, mesmo em Israel.

Isto marca o final da cerimônia. Com gritos de “Mazal Tov”, o chatan e a kallah são então segue uma recepção entusiástica dos convidados como eles deixam a chupá juntos.

Yichud

O casal é então escoltado para uma “sala yichud” privado e deixado sozinho por alguns minutos. Estes momentos de reclusão significar sua nova condição de viver juntos como marido e mulher.

Já que que o casal está de jejum desde a manhã, neste ponto eles também terão algo para comer.

Judeus Sefardi não têm o costume da yichud; o chatan e a kallah proceder imediatamente ao salão do casamento após a cerimônia chuppah.

Seudá

É um mitzvah para os hóspedes para trazer simcha (alegria) à chatan e a kallah no dia do casamento. Há muita música e dança como os convidados comemorar com o novo casal; alguns convidados se entretem com feitos de malabarismo e acrobacia.

Após a refeição, Birkat Hamazon (Graça após as refeições) é recitado e o Sheva Brachot são repetidas.

Durante a semana após o casamento, é habitual para os amigos e parentes para receber refeições festivas em honra do chatan e a kallah. Isso é chamado a semana de Sheva Brachot, em referência às bênçãos ditas na conclusão de cada uma dessas refeições festivas.

Se a noiva e o noivo estão se casando pela segunda vez, brachot sheva são recitados apenas na noite do casamento. A última bracha, Asher Bara, pode ser recitada por três dias.

 

Leia Também:

Felicidade no casamento

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *