Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 4 Minutos
Por el Kabalista Rabino David Amar  e Dayan Sinagoga Chaarei Chalom – Rio de Janeiro  – Brazil.
Esnoga Hebraica Portugueza
Em último Yom Richon – domingo, 22 de janeiro, é comemorado o Hiloula (aniversário de falecimento) de Isaac Kaduri, que nasceu em Bagdá, possivelmente em 1902 e morreu em Jerusalém, em 28 de janeiro de 2006.
 Ele era um renomado rabino e cabalista que dedicou sua vida ao estudo da Torá e à oração pelo povo judeu.  Ele ensinou e praticou o kavanot do Rachach.  Suas bênçãos e amuletos foram amplamente vendidos para curar doenças e infertilidade.  No entanto, ele não publicou livros religiosos.  No momento de sua morte, sua idade é estimada entre 103 e 118 anos, pois a data de seu nascimento está atualmente em discussão.
 Seu nome hebraico Yitzhak significa: “ele sorrirá”, o que homenageia a personalidade que caracterizou o Rabino ao longo de sua vida, um homem que sempre tinha um sorriso no rosto para aconselhar, receber os necessitados, elevar a alma dos pobres, estudar e ensinar a Sagrada Torá.
 Rabino Kaduri casou-se aos 40 anos, em 17 de dezembro de 1926 (12 Teveth 5687) de acordo com os registros do Rabbanout em Israel, com a reverenciada Rabanita Sarah Sadira Nakache.
 Quando sua primeira esposa morreu, quatro anos depois, aos 100 anos, o rabino se casaria novamente com o rabanit Dorit Ben Yehuda, respeitando as palavras do versículo “não é bom que o homem esteja só”, fiel às palavras do rabino Shimon Bar Yochai no sagrado Zohar.
 Conta-se que Rabi Kaduri comia e dormia muito pouco, principalmente desde a juventude, deixou de comer carne, aves ou peixe, com exceção de duas vezes ao ano (na celebração de Purim e na véspera de Yom Kippur). ).  Seus discípulos perguntaram-lhe sobre as razões pelas quais ele não comia carne, ao que ele respondeu que atordoava seu corpo e retardava sua atividade espiritual.  Sua dieta era baseada no consumo de ovos, nozes, arroz e legumes.  Durante seus mais de 100 anos, o Rabino desfrutou de um corpo saudável, puro e santo, o que prolongou sua existência.
 Para ganhar a vida, o rabino Kaduri trabalhava como encadernador de livros e textos religiosos judaicos, mas não da maneira tradicional.  Antes de iniciar a encadernação de cada livro, o Rabino o estudava por completo, incluindo as observações de seu autor, independentemente do assunto.  Sempre surpreendia seus alunos recitando textos que decorava dos livros religiosos que encadernava, indicando até a página em que se encontrava tal ensinamento.  Sua capacidade de memorização era excepcional.
 Eu estudo no Instituto Chochanim LeDavid Yechiva para Cabalistas do Iraque.  Lá ele aprendeu com os líderes cabalistas de seu tempo, incluindo o rabino Yehuda Ftaya, autor de Beit Lehem Yehudah, e o rabino Yaakov ´Haim Sofer, autor de Kaf Ha´haim.  Ele então começou um estudo regular do Talmud e da lei rabínica em Porat Yosef Yechiva em Jerusalém, Cidade Velha, onde estudou Cabala com o Rochi Yechiva, o rabino Ezra Attiya, o rabino Eliyahu Saliman (pai do rabino-chefe sefardita Mordehai Eliyahu) e outros rabinos.
 Ao longo dos anos, milhares de pessoas (principalmente, embora não exclusivamente, sefarditas) vinham em busca de seus conselhos, bênçãos e amuletos que ele criava especificamente para o indivíduo necessitado.  Ele havia aprendido os segredos cabalísticos dos amuletos com seu professor, o rabino Yehuda Fatiyah.
 Muitas pessoas atribuem diretamente milagres pessoais ao recebimento de uma bênção do rabino Kaduri, como: recuperação de doenças graves, filhos nascidos de casais com problemas de fertilidade, encontrar um cônjuge e melhorias financeiras.
 Sua ascensão à fama, no entanto, começou quando seu filho, o rabino David Kaduri, que dirigia uma loja de aves no mercado de Bukharim, decidiu fundar uma organização yechiva adequada com seu pai.  Chamada de Yechiva Nachalat Yitzhak, fica ao lado da casa da família no bairro de Bukharim em Jerusalém.  Seu neto, Yossi Kaduri, participou desse esforço com ele.
 Kaduri teria recebido as bênçãos de Ben Ish Chai (Rabino Yosef ´Haim de Bagdá) em 1908 e do Lubavitcher Rebe (Rabino Menachem Mendel Schneerson).
 Kaduri era visto como um profeta.  No final de 2004, Kaduri disse que “grandes tragédias são esperadas no mundo”, duas semanas antes do terremoto e tsunami de 2004 no Oceano Índico;  O repórter de Arutz Cheva, Barukh Gordon, conecta os dois dizendo que Kaduri previu a tragédia.  Em 2005, Kaduri fez previsões de novos desastres naturais.
 Kaduri viveu uma vida simples e austera.  Ele comia pouco e falava pouco, e orava todos os meses no cemitério tzaddikim (homens justos) em Israel.
 Sua primeira esposa, Rabbanit Sara, morreu em 1989. Ele se casou novamente em 1993 com Rabbanit Dorit, um baalat techuva que tinha metade de sua idade.
 Em janeiro de 2006, o rabino Kaduri foi internado com pneumonia no hospital Bikur Holim em Jerusalém, onde usou um respirador doado por alguém próximo a ele.  Ele morreu por volta das 22h.  em 28 de janeiro de 2006 (29 Tevet 5766).  Ele permaneceu alerta e lúcido até seu último dia.
 Estima-se que 300.000 pessoas participaram de seu cortejo fúnebre em 29 de janeiro, que começou na Nahalat Yitzhak Yechivah e percorreu as ruas de Jerusalém até o cemitério Givat Chaul, perto da entrada da cidade de Jerusalém.
 É costume acender uma vela para ele, conversar sobre algum assunto relacionado a sua vida e pode-se fazer pedidos a HaChem por seus méritos.
 ´Hodechi Tov!

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *