Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 4 Minutos

A porção da Torá dedica um tempo considerável para descrever as formações das tribos. Eles foram organizados em grupos de três. Os comentários apontam que eles foram deliberadamente colocados em tal posição para poderem exercer influência uns sobre os outros. (1) A primeira formação foi aquela de Judá, Issacar e Zevulun. Judá estava diretamente ao lado de Issacar. Rav Chaim Shmuelevitz escreve que a característica distintiva de Yehuda era a capacidade de assumir responsabilidade, tanto por si mesmo quanto pelos outros. (2) Ele exerceu essa característica quando assumiu a responsabilidade pelo incidente com Tamar, quando aceitou as consequências de trazer Benjamin para Egito e quando Nachshon ben Aminadav, o Príncipe de Judá, foi a primeira pessoa a entrar no Mar Vermelho antes mesmo de ele se dividir. Issacar é conhecido por representar a Torá; ele se dedicou ao estudo da Torá enquanto seu irmão Zevulun supria suas necessidades físicas, (3) além disso, muitos dos principais membros do Sanhedrin (Sinédrio) eram de Issacar. (4) Neste artigo, vamos nos concentrar em como Judá deveria exercer uma influência positiva em Issacar.

Em Vayigash, a Torá descreve como o povo judeu deixou a terra de Israel para viver no Egito. Somos informados de que Jacó enviou Judá antes dele para preparar o caminho em Gósen. (5) Rashi explica que foi enviado para abrir uma yeshiva. Isso abriu um precedente para toda a história judaica de que a primeira prioridade de uma comunidade judaica deveria ser a educação da Torá. No entanto, é difícil entender por que Judá foi enviado para estabelecer a yeshiva – Issacar não teria sido uma escolha mais apropriada, visto que sua principal força é aprender Torá? O Tiferet Shlomo responde que Judá foi a primeira pessoa a assumir a responsabilidade por outra na medida em que estava disposto a desistir de sua própria vida. Vemos isso quando Judah garantiu a Yaakov que protegeria Benjamin de qualquer perigo no Egito. Esse foi um ato de sacrifício incrível que emanou do profundo sentimento de responsabilidade de Judá pelos outros. Consequentemente, o motivo pelo qual Jacó enviou Judá para abrir a yeshiva foi para que seu princípio orientador fosse um senso de responsabilidade pelo bem-estar de seu semelhante.

Esta ideia pode nos ajudar a explicar por que Judá foi colocado ao lado de Issacar na formação da tribo – não é suficiente apenas aprender a Torá para o próprio benefício espiritual, ao invés disso, deve-se ter a atitude de que ele está aprendendo a Torá para que ele possa passá-la para outros. Além disso, quanto maior for a capacidade de aprender e compreender a Torá, maior será a obrigação dele de influenciar positivamente os outros. Rav Yisroel Salanter sintetizou essa atitude. “Depois de resolver uma dificuldade no Rambam, R. Israel desmaiou.” Se eu tenho tanto talento “, explicou ele ao acordar,” tenho uma responsabilidade enorme. A Corte Celestial exigirá de mim: “Por que você não fez o mundo inteiro se arrepender?” (6)

Quão significativa é uma parte do nosso Talmud Torá a necessidade de passá-lo para os outros? A Mishna em Pirkei Avot afirma: “Se você aprendeu muito a Torá, ‘al tachzik tova’ – não se apegue a si mesmo, porque é por isso que você foi criado.” (7) O simples entendimento deste Mishna é que uma pessoa não deve se orgulhar de suas realizações no Talmud Torá porque aprender Torá é o seu propósito na vida. No entanto, muitos comentários sugerem uma explicação diferente. Eles explicam que o Mishna significa que se uma pessoa aprendeu muito a Torá, ela não deve guardar sua bondade para si mesma, ao invés disso, deve ensiná-la aos outros. Por quê? Porque seu propósito na criação é aprender e ensinar. (8) É claro a partir desta explicação da Mishna que transmitir a Torá não é meramente um aspecto do Talmud Torá, ao invés disso, é parte do próprio fundamento do aprendizado de alguém.

Se uma pessoa tem esse senso de responsabilidade, ela recebe uma recompensa além da recompensa normal pelo Talmud Torá. A Mishna em Pirkei Avot afirma que aquele que beneficia a muitos é salvo do pecado e recebe recompensa por cada mitzvá que fez com que fosse cumprida. (9) O Manchester Rosh Yeshiva, Rav Zev Segal diria que se anos de aprendizado de alguém são uma preparação para a sua disseminação da Torá nos anos que virão, o estudante da Torá já é considerado aquele que beneficia a muitos, durante seus anos de aprendizado. (10) Como seu aprendizado é feito com a intenção de capacitá-lo a passar adiante mais para os outros, então o próprio aprendizado fornece a ele o mérito inestimável de quem ajuda a muitos. D’us pretendia que Judá influenciasse Issacar a aprender Torá a fim de compartilhá-la com outros. Da mesma forma, devemos aprender esta lição e abordar nosso próprio aprendizado com um grande senso de responsabilidade para com nossos companheiros juD’us; se o fizermos, os benefícios para nós mesmos e para o povo judeu serão infinitos.

NOTAS

1. Ramban, cap. 2, v. 2. Veja também Gur Aryeh Ch. 2, v. 3.

2. Sichot Mussar, Vayeshev, Maamer 20.

3. Bereishit Rabbah 72: 5.

4. Targum Yonatan, Bereishis 46:13.

5. Vayigash, cap. 46, v. 28.

6. Zaitchik, Sparks of Mussar, p. 5

7. Avot, 2: 9. 8. Ibid., Medrash Shmuel. Veja Medrash David, Lev Eliyahu, Parshas Tazria-Metzora para uma explicação idêntica. Também foi ouvido de R.Zev Leff shlit “a em nome do Klausenberger Rebbe zt” l. 9. Avos 5:18. 10. Finkelman e Weiss, The Manchester Rosh Yeshiva, p. 165

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *