Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 3 Minutos

A porção desta semana da Torá é a Parasha de Matot, que este ano lemos junto com a porção de Masei. A porção da Torá de Matot é sempre lida durante as semanas de luto entre o dia 17 de Tamuz e o dia 9 de Av; dias de tremenda tragédia para o povo judeu nos últimos milhares de anos.

Durante essas semanas, lamentamos a destruição do Beit HaMikdash, o Templo Sagrado, um evento que mergulhou o povo judeu no exílio físico e espiritual em que permanece até hoje, e do qual infelizmente ainda não se recuperou.

Portanto, resta à porção da Torá, com a qual vivemos cada semana, ser capaz de nos inspirar e adicionar alguma luz e esperança para nos ajudar a superar estes tempos sombrios e difíceis.

Em toda a Torá, encontramos dois termos que se referem às tribos israelitas: 1) Shevatim, 2) Matot. Há uma diferença entre os significados literais dessas duas palavras.

“Matot” são galhos de árvores que se destacam da árvore. Portanto, eles se endureceram para se tornarem bastões ou cajados.
“Shevatim” são ramos da árvore que permanecem presos à árvore e, portanto, são relativamente macios e flexíveis; especialmente quando comparado ao bastão ou haste.

De acordo com o pensamento chassídico clássico, o galho e a haste aludem a vários estágios no desenvolvimento da Neshama – alma – conforme ela se transfere dos Céus para a Terra.

Embora ainda em um ambiente celestial, a alma ainda está “apegada” a D’us; como um galho preso a uma árvore. Mas falta experiência, pois ainda não embarcou em sua missão na Terra. Não enfrentou obstáculos que pudesse superar e, portanto, não teve laços rompidos que pudessem ser reparados com uma força ainda maior. Portanto, as “reservas ocultas” de energia espiritual que são inerentes à alma para ajudá-la a superar todas as lutas e adversidades que enfrentará na Terra, permanecem adormecidas e não utilizadas; ainda escondido.

A transformação acontece quando essa alma é colocada na terra; ele é colocado dentro de um corpo físico e, em tempos de exílio, logo muda dramaticamente.

Da mesma forma que o galho se desenvolve, a alma perde seu invólucro emocional que ganhou sem esforço e o encontra em um mundo que se opõe aos valores da verdade e da santidade. No entanto, é neste mesmo ambiente; o próprio ambiente que é antagônico aos valores inerentes da alma; que permite que o ramo macio e macio se torne uma vara inflexível, firme e rígida; inabalável em sua dedicação a D’us.

A porção desta semana da Torá é intitulada Matot – varas. Isso nos ensina que temos a capacidade dada por D’us de viver com a Torá em TODAS as circunstâncias.

Portanto, é apenas uma questão de nossa vontade e determinação por parte do judeu, porque potencialmente, temos a capacidade de viver como um judeu, aconteça o que acontecer. Apesar de todos os problemas e tristezas que suportamos; mantemos nossa identidade judaica e fazemos o nosso melhor para servir ao Criador do Universo. Isso está seguindo os passos de Matot – a fé inabalável que acompanha um judeu aonde quer que ele vá.

Vimos exemplos na URSS e durante o Holocausto, mesmo durante a inquisição espanhola, e em todas as outras ocasiões na história judaica em que a fé era restrita e punível, na maioria das ocasiões com a morte, a fé inflexível que fez com que os judeus desafiassem os opressores do mal e Asse Matzot (pão sem fermento) para a Páscoa, ilumine a escuridão severa com as velas de Channukah e até mesmo mergulhe no Mikveh (piscina de imersão ritual) nas condições mais difíceis.

Essa fé é o que temos nos mantido. Os romanos vieram e se foram. Os gregos vieram e se foram. Cada superpotência na história mundial teve seu apogeu e depois desapareceu nos anais dos livros de história. Mas o povo judeu ainda está aqui e sempre estará. É por isso que nossa porção da Torá é chamada de Matot.

Uma resposta

  1. Matot (galho) esta pra a árvore assim como O judeu esta para Dús existe uma essência que veio da árvore e que permanece no galho mesmo quando este foi separado desta .No caso do judeu e Dús a essência é a Torá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *