Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 4 Minutos

(Por Rabino Ari Kahn)

 Nos capítulos que precedem imediatamente a porção da Torá desta semana, os Dez Mandamentos (Aseret HaDibrot) ecoaram do Monte Sinai em uma sinfonia de som e visão, trovões e relâmpagos – e o mundo mudou para sempre. Embora a Parashah que lemos esta semana não tenha o acompanhamento pirotécnico, sua mensagem é uma continuação clara desses dez ensinamentos.

Os tópicos abordados na Parashat Mishpatim parecem familiares: escravidão, pais, assassinato, observância do Shabat e muito mais, dando-nos a sensação de que esta não é uma comunicação nova, mas uma qualificação e extensão, ou mesmo um esclarecimento das consequências da violação os mandamentos ensinados no Sinai. Enquanto os Dez Mandamentos criaram julgamentos de valor, na Parashat Mishpatim esses mesmos princípios são vistos através de uma lente judicial: as implicações legais são esclarecidas, as sanções e punições são estabelecidas e o “preço” do pecado é estabelecido.

Há, no entanto, outro fio comum entre Yitro e Mishpatim; é um ponto sutil expresso em uma perspectiva talmúdica da Revelação no Sinai (Kiddushin 31a): Os primeiros quatro mandamentos podem ser vistos como um conjunto de leis que estabelecem a fidelidade a D’us e proíbem a adoração de qualquer outra divindade. Em si mesmas, essas leis não teriam parecido estranhas a nenhuma das sociedades ou religiões do mundo antigo. As culturas antigas estavam bem familiarizadas com D’uses ciumentos, e as guerras de territórios e lutas pela supremacia entre eles. Os mandamentos que exigem exclusividade podem ter parecido nada mais do que legislação em benefício próprio portanto, nada excepcional.

E então, algo extraordinário aconteceu: O Quinto Mandamento derrubou todos os conceitos anteriores de religião. No que parece ser uma mudança abrupta de foco, nosso misterioso e incorpóreo D’us nos ordenou que honrássemos nossos pais. Com esta declaração, as nações do mundo perceberam que esta religião diferia de tudo o que haviam encontrado anteriormente. Isso era algo novo e diferente. Este mandamento foi revolucionário, não só porque exigia um certo grau de partilha de poder, mas, porque introduziu um conceito inteiramente novo na estrutura religiosa: o respeito filial é o ponto de origem de todas as relações interpessoais. Ao incluir isso entre os mandamentos, D’us traz a sociedade humana e os relacionamentos que constituem a sociedade para a esfera religiosa – em um afastamento radical de todos os outros sistemas de crença.

Os Dez Mandamentos fundem de maneira sutil e única as leis relativas ao nosso relacionamento com D’us com as leis que tratam da justiça social, criando assim uma visão de mundo inteiramente nova. A experiência religiosa e a decência sobre a qual somos ordenados a construir nossos relacionamentos interpessoais não devem mais ser vistas como dois domínios diversos; em vez disso, eles são dois aspectos de um todo. O Quinto Mandamento indica que essas duas esferas são entrelaçadas, inseparáveis. Esta é a mensagem radical e revolucionária da Revelação no Sinai.

Ler os versos da Parashat Mishpatim com esta nova compreensão dos Dez Mandamentos revela novos e importantes insights. Por exemplo, o tratamento do assassinato no início da parashah: O Sexto Mandamento proíbe o assassinato; esta é uma declaração de valor transmitida no Monte Sinai. Na Parashat Mishpatim, são abordados os contornos específicos do que constitui assassinato. Categorias são criadas – homicídio culposo, assassinato premeditado, negligência criminosa, crimes passionais e muito mais; vários casos e cenários são esclarecidos e punições são estabelecidas. De uma maneira muito clara e inequívoca, o homicídio se distingue do homicídio culposo, e as punições para cada um são estabelecidas. Uma pessoa que causa involuntariamente a morte de seu semelhante é afastada da sociedade e enviada para um local de refúgio. Por outro lado, um culpado de homicídio premeditado deve pagar com a própria vida; não há refúgio para um assassino. “Se uma pessoa trama contra seu próximo para matá-lo intencionalmente, então você deve até mesmo tirá-lo do Meu altar para matá-lo.” (Shemot/Êxodo. 21:13-14).

A referência ao Santuário, o lugar mais sagrado da Terra, o epicentro da prática religiosa, em um verso que discute o comportamento humano mais vil, fala precisamente de nossa nova percepção: uma pessoa não pode se esconder atrás de sua aparência religiosa ou demonstrações de piedade se cometeu um crime. O ritual não eclipsa a moralidade; estes são dois lados da mesma moeda proverbial, e eles não podem existir independentemente.

Essa mesma ideia foi sugerida nos versículos que seguem os Dez Mandamentos: “Quando você finalmente construir um altar de pedra para Mim, não o construa de pedra cortada. Sua espada terá sido levantada contra ela, você a terá profanado.” (Shemot/Êxodo 20:22) O metal é um símbolo de guerra e caos, portanto não pode ser usado para preparar um altar para o serviço de D’us. O Santuário deve ser um lugar não só de culto, não só de pureza ritual, mas também de paz e justiça social. Os assassinos não encontrarão santuário ou proteção ali, nem será construído com o uso da espada. Da mesma forma, os Dez Mandamentos fazem mais do que abordar a justiça social ao lado do ritual de culto. Eles fundem esses dois aspectos até então não relacionados da experiência humana, ensinando-nos que é a combinação dos dois que cria uma sociedade santa.

Com esta compreensão da Revelação, os versos da Parashat Mishpatim adquirem um significado mais profundo: Tirar uma vida não é meramente uma ofensa contra um indivíduo ou mesmo contra a sociedade como um todo. É também uma ofensa contra o próprio D’us. O homem é criado à imagem de D’us, formado por D’us da terra que Ele coletou do próprio local sobre o qual o Altar ficaria. (Rashi, Bereshit 2:7) Em outras palavras, não somos “poeira estelar”; nós somos o Altar e o Templo Sagrado. A santidade da vida humana e a santidade do Altar são uma e a mesma coisa. O ritual e os aspectos sociais da santidade brotam da mesma fonte; eles são inseparáveis. Portanto, uma pessoa que tira uma vida não encontrará refúgio no Santuário.

A visão revolucionária de santidade do judaísmo, então, é que a santidade ritual e social são dois lados de uma moeda, duas partes das mesmas Tábuas. Os Dez Mandamentos foram os primeiros arautos dessa visão, e os versos da Parashat Mishpatim traduzem essa visão em lei.

 

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *