Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 4 Minutos

A Historia recente com o movimento dos descendentes de bnei anussim  no Brasil começou com Augusto da Rocha também conhecido com o nome judaico de Augusto Bentsur, nascido em Belo Horizonte no dia 12 fevereiro de 1944, descendente de judeus portugueses e italianos de Roma.

Sua Infância e adolescência foram entre o Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Seu pai era joalheiro em Belo Horizonte sendo o primeiro de 2 irmãos.

Em 1965 mudou-se para os Estados Unidos para cursar inglês e Engenharia Mecânica na Califórnia, época que iniciava a guerra no Vietnam, tendo sido convocado para lutar pelo exercito americano.

Serviu 2 anos na USA Army (Exército dos Estados Unidos )sendo que em 1 ano ficou dividido entre o campo de batalha e a polícia no patrulhamento de comboios. Recebeu algumas medalhas pelo bom desempenho no serviço militar.

De volta aos Estados Unidos, recebeu por merecimento a cidadania americana da qual muito se orgulhava. Teve 4 filhos, sendo 2 nascidos no Estados Unidos e 2 brasileiros que também receberam a cidadania americana. Era também piloto de aeronaves civil.

Pelo fato de ter servido ao país, tanto ele, esposa e filhos tiveram todos os privilégios nos estudos e saúde. Voltou ao Brasil, onde moraram mais alguns anos, mas sempre pensando na sua segunda casa para onde retornou alguns anos depois com toda a família.

Voltou em definitivo para Miami e se uniu aos compatriotas judeus nas sinagogas locais.

Nos últimos anos fazia parte do Templo Moses em Miami Beach, onde frequentava sem faltar um dia nos serviços religiosos, tanto pela manha quanto a tarde, pois era voluntario como segurança dessa mesma sinagoga. Era muito querido pela família e amigos e se relacionava muito bem com os jovens procurando sempre ajudar e orientar a quem o procurava.

Nas idas e vindas ao Brasil, principalmente em Ilhéus e Eunápolis no Sul da Bahia, conheceu um grupo de pessoas que buscavam suas origens judaicas através da descendência histórica dos descendentes de bnei anussim.

Lembravam-se dos seus antepassados, dos costumes e tradições e se reconheciam como judeus.

Então, como visionário desta historia e no resgate dos descendentes dos bnei anussim, Augusto se propôs a ajudar através do ensino, compartilhando conhecimento com tradições judaicas e também conseguia doações de kipah, sidur, tefelin, etc..; levando inicialmente tudo para Bahia

No ano de 2009, no período de 20 de agosto a 1° de setembro em Porto Seguro, Sul da Bahia,  Augusto conseguiu com ajuda de um rabino americano Abraham De Leon Cohen  o retorno de 61 pessoas que foi o pontapé inicial deste grande visionário que entendeu todo este processo histórico como uma grande causa para o povo judeu.

Augusto se juntou com Nelson Menda, Rabino Abraham De Leon Cohen e Jonathan Benayon  e  fundaram a Abarbanel Fundation em Miami, cujo principal objetivo era trabalhar com os descendentes de bnei anussim no resgate de sua ancestralidade, ensino, educação religiosa para o retorno ao povo judeu, fato este, que teve apoio importante no Rio de Janeiro em 2011 com a Congregação Judaica Pneior na primeira conversão e retorno oficial de uma sinagoga sefaradi organizada. Mas isto é outro capitulo desta historia.

Augusto mantinha contatos semanais com as lideranças dos judeus da nação, os novos “judeus emergentes”, que estavam trabalhando para a formação de sua identidade e com isto, com apoio de muitos outros judeus sefardi da comunidade organizada do Rio de Janeiro, acompanhou a chegada dos novos judeus com as visitas ao Brasil do rabino americano Abraham De Leon Cohen em 2014, 2016 e 2018, fechando assim o ciclo deste trabalho que se iniciou em 2009.

Apoiou em 2016 a fundação da Sinagoga Shaarei Shalom em São João de Meriti no Rio de Janeiro, com diversas doações importantes que enviava através de portadores, para o inicio desta nova comunidade através das lideranças dos judeus da nação.

Sua participação era incansável mesmo em Miami, incentivando  o movimento dos descendentes do bnei anussim  através do crescimento cada vez maior de pessoas que estavam buscando sua ancestralidade judaica. Isto ainda era sua grande preocupação e ao mesmo tempo o grande orgulho por ter sido um bandeirante em busca de abrir novos caminhos para o reconhecimento dos judeus emergentes.

Mesmo vitima de uma doença que o obrigava a três vezes por semana se internar, mantinha seu contato com nossas comunidades e nos últimos dias de sua partida para o mundo vindouro teve a preocupação de eleger seu sucessor Jonathan Benayon como representante legitimo dos judeus da nação em Miami.

Agradecemos imensamente o que o nosso querido irmão e amigo Augusto Bentsur fez sempre com discrição, dignidade, inteligência e amor a nossa causa e também por sua esposa e família que sempre apoiaram suas iniciativas em ajudar os novos “judeus da nação”.

Muito Obrigado!

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *