Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 2 Minutos

A Perashat Trumah é a 19ª porção semanal da Torá e começa com a palavra hebraica “trumah”, que significa “oferta” ou “contribuição”. A porção descreve a construção do Mishkan, o Tabernáculo que serviu como o lugar de culto portátil dos judeus no deserto, após o Êxodo do Egito. Também descreve as especificações detalhadas da construção, incluindo os materiais necessários, as dimensões e os objetos sagrados que seriam usados no serviço do Templo.

Opiniões dos sábios da Torá

Rabbi Akiva, um dos mais importantes rabinos do Talmude, enfatizou a importância da contribuição voluntária na construção do Mishkan. Ele disse: “Felizes são vocês, Israel, pois vocês oferecem voluntariamente o seu dinheiro para a construção do Tabernáculo, como está escrito: ‘De todo homem cujo coração o mover voluntariamente, tomareis a Minha oferta.’ (Êxodo 25:2)”.

O comentarista Rashi observou que a contribuição dos materiais para a construção do Mishkan deve ser feita com alegria e de coração aberto. Ele cita o versículo: “E todo homem cujo coração o moveru voluntariamente, de vós tomarão a Minha oferta.” (Êxodo 25:2)

Maimônides, um filósofo judeu e rabino medieval, ensinou que a construção do Mishkan era necessária para ajudar o povo a se conectar com D’us. Ele escreveu: “O Mishkan foi construído com o propósito de criar uma proximidade física entre D’us e Israel.”

Citações Talmúdicas

O Talmude discute a importância da contribuição voluntária na construção do Mishkan. Ele afirma que, embora D’us pudesse ter criado o Mishkan sozinho, Ele preferiu que o povo contribuísse para criar um senso de responsabilidade e conexão com a construção. O Talmude afirma: “Por que D’us não criou o Mishkan sozinho? Para dar uma oportunidade ao povo de se conectar com a construção e receber recompensa pela sua contribuição” (Talmude Bava Batra 10b).

O Talmude também discute a importância dos objetos sagrados do Mishkan. Ele afirma que cada objeto tinha um propósito específico e simbolizava algo maior. Por exemplo, o candelabro representava a luz da Torá, enquanto a mesa dos pães da proposição representava a sustentação divina.

Visão cabalística

Na tradição cabalística, a construção do Mishkan representa a construção do mundo espiritual. Cada objeto no Mishkan simboliza uma sefirah, uma energia espiritual diferente. Por exemplo, a arca representa a sefirah de biná, que representa a compreensão divina.

Podemos fazer um paralelo entre a contribuição voluntária na Perashat Trumah e o trabalho em equipe em diversos contextos. Assim como na construção do Mishkan, onde cada pessoa contribuiu com seus recursos e habilidades para alcançar um objetivo comum, o trabalho em equipe também exige a colaboração de todos para alcançar um objetivo em comum.

O trabalho como ferramenta de crescimento

Esse princípio é muito importante no desenvolvimento das crianças, que aprendem a trabalhar juntas em projetos escolares, por exemplo. No esporte, a importância do trabalho em equipe é destacada para a conquista de vitórias em competições. Já no mundo corporativo, as equipes precisam trabalhar juntas para alcançar metas e objetivos da empresa.

Assim como na Perashat Trumah, onde cada pessoa contribuiu com suas habilidades e recursos para a construção do Mishkan, em um trabalho em equipe cada membro da equipe tem uma função importante a desempenhar e pode contribuir com suas habilidades e conhecimentos para alcançar um objetivo comum.

Portanto, a Perashat Trumah nos ensina sobre a importância da contribuição voluntária e do trabalho em equipe para alcançar objetivos em comum, seja na construção de lugares sagrados ou em outros contextos da vida. A colaboração, a generosidade e a atitude positiva e alegre são fundamentais para o sucesso em qualquer empreendimento coletivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *