Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 5 Minutos
(Por Mendy Tal)
Rabi Israel Abuhatzeira (Baba Sali) e Sua Santidade
O cabalista marroquino Rabi Israel Abuhatzeira, chamado também Baba Sali que adquiriu a reputação de curandeiro milagroso e clarividente, morreu aos 94 anos há mais de 30 anos.
O Sábio rabino Israel Abuhatzeira nasceu em Rosh Hashaná 5650 (1889) de distinta família Abuhatzeira, composta de tzadikim e estudiosos sefarditas da Torá. Ele era neto de Yaakov Abuhatzeira.
Sua família possuía uma grande propriedade, uma Yeshiva e um tribunal rabínico em Tafilalt, Marrocos. Lá, jovens estudiosos estudavam noite e dia.
Quando criança, Abuhatzeira era um diligente estudioso da Torá, instruindo-se diuturnamente. Aos 12 anos, ele começou a jejuar durante as semanas de Shovavim (um período de seis a oito semanas a cada ano, no qual alguns cabalistas ensinam que devemos nos concentrar no arrependimento de nossos pecados).
Depois de seu bar mitzvá, ele entrou na Yeshiva de sua família, onde os alunos se levantavam à meia-noite para um ritual de contrição e então estudavam trabalhos cabalísticos até o amanhecer, quando iam ao mikvá, rezavam o serviço matinal e tomavam café da manhã. Isto era seguido por um estudo aprofundado de gemara (elucidações do Talmud), as orações da tarde e debates sobre Shulchan Aruch (Código de Leis Judaicas).
No dia 12 de Iyar, 5668 (29 de Janeiro de 1904) seu pai Rabi Massoud deixou este mundo. Na época de sua morte, Baba Sale tinha 18 anos. No entanto, ele já era um Gaon, um homem cujo medo do céu superava sua sabedoria.
Apesar de sua pouca idade, os judeus de Tafilalt imploraram para que ele aceitasse, a posição de rabino e ser o líder espiritual da Yeshiva. Sendo muito modesto, Baba Sali tentou fugir das responsabilidades que queriam colocar sobre ele. No entanto, os judeus de Tafilalt sabiam que seria difícil encontrar outro homem santo como ele. Eles tanto insistiram que ele aceitou assumir os deveres de seu pai.
Assim, além da posição de Rosh Yeshiva (diretor da Yeshiva), Rabi Israel também recebeu a responsabilidade do Rabinato. Os judeus de Tafilalt aderiram escrupulosamente às suas diretrizes, e para eles suas palavras eram como as do oráculo no Santo dos Santos.
No ano de 5681 (1921), aos 31 anos, Rabi Israel foi visitar a Terra Santa. Todos os Gaonim (Judeus como a mais alta autoridade de instrução) e rabinos do país foram ao seu encontro com temor e respeito, acolhendo-o com grande honra. Seu nome era conhecido e famoso; era o homem santo que fazia milagres e cujas bênçãos eram sempre respondidas. Todos os habitantes de Jerusalém correram para sua residência para receber sua bênção.
A seguir, o rabino Abukhatzeira viajou para Tzfat para orar no túmulo dos Tzadikim, bem como para orar pela aceleração da Redenção Final. Com o coração trêmulo aproximou-se do túmulo do Santo Arizal (Isaac de Luria, o mais importante cabalista), e durante a hora seguinte prostrou-se sobre ele e chorou. Então, depois de ter mergulhado nas águas geladas do mikvá do Ari, pediu para visitar a sinagoga onde o Ari normalmente rezava.
Para sua grande surpresa, o acesso foi negado. O zelador judeu da sinagoga, aquele que tinha as chaves do local, disse-lhe que já fazia vários anos que ela havia fechado e que ninguém ousava entrar.
“Aqueles que ousaram tentar nunca saíram vivos”, acrescentou, concluindo sua explicação.
Baba Sali o tranquilizou, depois pediu-lhe que gentilmente lhe desse as chaves de qualquer maneira. Tremendo de medo, o zelador lhe deu, enquanto tentava convencê-lo de que era melhor desistir de seu plano.
Uma grande multidão começou a se formar ao redor da sinagoga do Ari, todos querendo testemunhar este evento. Tensos e temerosos, eles observaram cuidadosamente o que estava prestes a acontecer. O rabino pegou a chave e a enfiou na fechadura da sinagoga.
A porta, que havia permanecido fechada por muitos anos, abriu-se com um rangido agudo. O medo dos espectadores começou a aumentar. Baba Sali virou-se para seu servo e disse: “Pegue meu casaco e siga-me. Enquanto você aguentar, nenhum mal lhe acontecerá.”
Com as emoções à flor da pele, o Tzadik penetrou na sinagoga, seguido por seu servo, que não se atreveu a soltar o lado de seu casaco. O Rabi então se moveu em direção à Arca Sagrada, empurrou o cortinas coloridas para o lado e abriu as portas da Arca.
Ele tirou o Sefer Torá encontrado dentro, colocou-o sobre a mesa e começou a ler. O coração do servo quase parou, sem saber se ele estava dormindo ou acordado. A sinagoga começou então a se encher de uma grande luz, luminosa e pura.
Baba Sali virou-se para seu servo e disse: “Você pode soltar meu casaco agora. Nada vai acontecer com você. A partir deste dia, todos podem entrar nesta sinagoga sem qualquer preocupação.”
Todos os judeus que esperavam do lado de fora foram tomados de alegria quando viram o tzadik saindo da sinagoga. Eles foram testemunhas da grande santidade do rabino Abuhatzeira. Um após o outro, eles se aproximaram do rabino para beijar o lado de seu casaco e receber sua bênção.
Baba Sali teve grande dificuldade em deixar a Terra Santa, da qual guardou boas lembranças. E, apesar de seu desejo ardente de permanecer lá, ele decidiu voltar para o Marrocos, para supervisionar sua comunidade, que estivera como um rebanho sem pastor enquanto ele estava em Israel.
A casa do rabino tornou-se um centro de atração para os judeus de Tafilalt. As pessoas batiam à sua porta dia e noite: os pobres para pedir ajuda, os doentes para receber sua bênção de cura e aquele que tinha uma disputa com o vizinho, para obter o veredicto do tzadik.
No ano de 1964, o rabino Israel decidiu completar seu plano mais querido – mudar-se para a Terra Santa. A maioria dos judeus no Marrocos já havia deixado seu pobre exílio e ascendido à terra de Israel.
O grande sábio e fiel pastor não foi o primeiro a partir. Ele só aceitou sair do Marrocos quando a maioria dos judeus já havia se estabelecido em Israel.
Do Marrocos, Rabi Israel trouxe consigo todos os livros e manuscritos que possuía. Ele não estava pronto para entregá-los a ninguém. Esta imensa biblioteca continha todos os tipos de livros: Comentários simples, comentários secretos, livros antigos, livros novos, etc. Ele também possuía livros de grande valor e manuscritos de grandes rabinos e de rabinos de sua família. Os próprios livros do Rabino Israel continham mais de 3.000 páginas de comentários sobre a Torá.
Baba Sali, um gênio nos aspectos revelados e secretos da Torá, era um homem muito modesto. Apesar de sua grande erudição, ele nunca se considerou digno de todas as honras que lhe foram concedidas. Ele falava dos grandes Sábios da geração com enorme deferência, como se fosse um anão diante de gigantes.
Abuhatzeira morreu em 1984. Seu funeral foi assistido por cerca de 100.000 pessoas. Seu túmulo em Netivot tornou-se um local de peregrinação popular em Israel.
No aniversário de sua morte, milhares vão visitar seu túmulo e rezar.
Mendy Tal
Cientista Político e Ativista Comunitário


4 respostas

    1. Agradecemos a sua participação.
      Pela halakháh, é absolutamente condenável rezar para qualquer outra entidade exceto a HaQadosh Barukh Hu. Desta forma, rezar para qualquer pessoa, judia ou não, viva ou não, é considerado um erro grave, halilah! Isto não somente é um ato de idolatria que corrompe a ligação espiritual com HaShem, como reflete a falta de confiança que a pessoa tem por Ele, ao depositar suas thefiloth em um intermediário. Jamais podemos esquecer que HaShem, em Sua infinita Misericórdia, ouve todas as thefiloth sinceras pois Ele ouve a voz de todas as bocas.
      Devemos, portanto, saber diferenciar o respeito devido a um tsadiq, que foi um gigante de Thoráh, de uma prática idolátrica condenável.
      Quanto aos Bnei Noah, a visão dos sefarditas é absolutamente a que está descrita no Thalmud Bavli, Sanhedrin 56 b, ou seja, trata-se de todos os seres humanos. Entretanto, esses mesmos seres humanos que não seguem a religião judaica possuem o encargo de cumprir as chamadas Sete Leis de Noah. Ou seja, por serem mitsvoth, existe a obrigatoriedade de cumpri-las. Se deseja conhecer mais sobre essas leis, sugiro a leitura dessas leis no excelente site sefaria.org, mais especificamente no link https://www.sefaria.org/Sanhedrin.56b.1?lang=bi&with=all&lang2=en
      Por fim, gostaríamos de ressaltar que nós, sefarditas, somos judeus como todos os outros, mas apenas temos alguns costumes e traços culturais que nos diferenciam dos nossos irmãos ashkenazitas. Somos todos um só povo que forma unidade com HaShem e com a Thoráh.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *