Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 7 Minutos

Exemplo da tradição sefardita ocidental, amplamente admirado por sua tolerância, abordagem não coercitiva e visão educacional…

Numa época em que o mundo judaico parecia cada vez mais polarizado entre uma piedade mais insular e um secularismo crescente, o rabino Abraham Levy, que morreu aos 83 anos, manteve firme sua crença no meio-termo.

Amplamente admirado por sua tolerância e visão educacional, Levy foi o exemplo da tradição sefardita ocidental, inspirado pelos grandes rabinos espanhóis do passado, que ele via como “mestres da síntese”, combinando o compromisso com a Torá com o envolvimento na sociedade em geral.

Enquanto alguns grupos ortodoxos se voltavam para interpretações cada vez mais rigorosas da lei judaica, os sefarditas, argumentou ele, viam uma virtude na clemência.

Seu ensinamento da Torá veio com um estilo pessoal caloroso. A definição de bom judeu, ele gostava de dizer, era “alguém que quer ser um judeu melhor”. Ele tentaria persuadir uma pessoa um pouco mais em seu caminho judaico.

Sua abordagem, disse um de seus alunos, o rabino Gideon Sylvester, agora rabino de Israel da Sinagoga Unida, era “animada, não coercitiva e encorajadora”.

Sua Emunah no clássico legado sefardita foi sustentada por um senso de sua própria linhagem como descendente de exilados de Castela após a expulsão de 1492.

Um parente de sua mãe no Marrocos foi nomeado cavaleiro pelo rei da Espanha no século XVI. O mais antigo rabino conhecido do lado de seu pai pode ser rastreado até o Marrocos do século XVII.

Ele nasceu em Gibraltar, filho de Rachel e Isaac Levy, o terceiro de cinco filhos. O apartamento da família foi a primeira propriedade de propriedade de judeus no território quando foi adquirido por um parente na década de 1730.

O jovem Abraham foi para a escola primária judaica que seu pai ajudou a restabelecer após a Segunda Guerra Mundial, mas foi enviado à Inglaterra para completar seus estudos; primeiramente para o recém-inaugurado Carmel College em Oxfordshire sob a liderança do formidável Rabino Kopul Rosen, onde ele colocou seu coração em se tornar um rabino; em seguida, para obter os níveis A e um diploma semítico da Universidade de Londres como parte de seu treinamento ministerial no Judeus’ College.

A única coisa de que ele conseguia se lembrar sobre sua entrevista na faculdade era quando perguntaram se ele jogava críquete.

Aos 17 anos ganhou uma bolsa de estudo como estudante hazan (cantor) na sinagoga londrina a que dedicou a maior parte da sua vida, Lauderdale Road em Maida Vale, a principal comunidade da Congregação dos Judeus Espanhóis e Portugueses ou Hispano&Portugues (como era então chamado).

Embora as cartolas e canônicos estivessem sendo desativadas na maioria das sinagogas ortodoxas centrais, ele permaneceu leal às tradições do S&P de vestimenta clerical, acreditando que conferia elegância e dignidade adequadas ao culto público.

Ele conheceu sua esposa Estelle Nahum durante o destacamento na Holland Park Synagogue e se casou com ela em 1963, um ano após obter seu diploma ministerial. Continuando seus estudos rabínicos em tempo parcial no Judeus’ College, ele se tornou o primeiro aluno a receber semichah do rabino-chefe Immanuel Jakobovits em 1967.

Nomeado rabino de Lauderdale Road em 1975, ele começou a deixar sua marca na comunidade judaica em geral. Em 1978, ele lançou o Young Jewish Leadership Institute, um programa inovador que visava equipar os futuros líderes leigos do judaísmo britânico com uma base sólida de conhecimento judaico, cujos tutores incluíam o jovem rabino Jonathan Sacks.

No mesmo ano, ele completou seu doutorado em rabinos da corte da Castela medieval.
A política de sua congregação teria testado a coragem de qualquer rabino. Ele aprendeu a superar as tensões que surgiram de um acordo de liderança conjunta pelo qual serviu como rabino comunitário – (mais tarde “chefe espiritual”) – enquanto Dayan Pin´has Toledano chefiou o Sephardi Beth Din.

Levou toda a sua determinação para concretizar o projeto mais próximo de seu coração: a abertura da Escola Preparatória Judaica de Naima em Maida Vale em 1983, a primeira escola sefardita no Reino Unido em um século.

Enquanto as últimas três décadas testemunharam uma enorme expansão na escola judaica na Grã-Bretanha, o rabino Levy estava à frente da curva. No entanto, longe de encorajá-lo, alguns membros da velha guarda estavam profundamente céticos e tentaram dissuadi-lo.

Foi decisivo o apoio de algumas famílias chegadas no êxodo do Oriente Médio.

Além das habilidades rabínicas tradicionais, ele era um arrecadador de fundos incomparável, que continuou a atrair o apoio que permitiu que a escola, que comemora seu 40º aniversário em setembro, florescesse.

Em suas memórias, A Rocky Road, ele se lembra de ter visitado um cassino para receber um cheque de dois dos maiores doadores de suas novas instalações, os irmãos Shamoon e sr. Robert  David Duque, ele não tornou obrigatório o uso do tsitsit no uniforme escolar dos meninos: ele queria que eles o usassem por AMOR.

Seu trabalho inter-religioso assumiu um perfil mais elevado em 1992 para o Sepharad, a comemoração internacional do 500º aniversário da expulsão dos judeus da Espanha.

Ele viu isso como uma oportunidade de aumentar a conscientização sobre a história e o patrimônio sefardita, enquanto ajudava a promover a reconciliação com o país que expulsou seus ancestrais. O rei Carlos da Espanha ficou impressionado com seu espanhol fluente. A Espanha fez dele Cavaleiro Comandante da Ordem do Mérito Civil e foi nomeado OBE em 2004.

Ele foi além do mundo cristão para cultivar boas relações com o Marrocos. E sua diplomacia se estendeu além da esfera religiosa: seu tio Sir Joshua Hassan, ministro-chefe de Gibraltar, o convocou a certa altura para atuar informalmente como emissário da Embaixada da Espanha em Londres.

De volta para casa, quando as tensões religiosas dentro do judaísmo britânico estavam no auge, ele era o único rabino capaz de manter contatos em todo o espectro denominacional. Em um serviço para marcar o 350º aniversário da readmissão de judeus na Inglaterra na Sinagoga Bevis Marks em 2006, a arca foi aberta pelo presidente da Reforma, Sir Sigmund Sternberg, e pelo líder veterano de Hackney Charedi, Joe Lobenstein.

Apenas os sefarditas, ele acreditava, poderiam ter feito tal demonstração de unidade. Quando a maioria dos rabinos ortodoxos britânicos se esquivou de Limmud, ele apoiou o evento intercomunal e não apenas ensinou lá, mas encorajou seus alunos rabínicos a fazê-lo também. Sua riqueza de experiência tornou seu conselho valioso entre os colegas, incluindo seu amigo Jonathan Sacks.

Mas ele estava preparado para ir contra o então rabino-chefe quando sua alma mater, o Jewish’ College – rebatizado como London School of Jewish Studies – caiu em dificuldades financeiras, resistindo com sucesso à sua aquisição pela United Synagogue.

Embora não tenha conseguido salvar o curso de ordenação da faculdade, em 2006 ele reviveu a semikhah local com seu aliado de longa data Lucien Gubbay, com quem colaborou na publicação de um guia prático do judaísmo, Ages of Man e uma história ilustrada , Os Sefarditas.

Patrocinado pela Montefiore Endowment, o programa permitiu exclusivamente o estudo em tempo parcial e introduziu um novo fluxo de talento rabínico no serviço comunitário.

Dez anos depois, eles foram ainda mais longe com o primeiro esquema de treinamento de dayanut local, cujo primeiro graduado, Dayan Daniel Kada, assumiu seu assento no Sephardi Beth Din.

“Onde mais, eu pergunto, mas sob o guarda-chuva Montefiore do rabino Levy, vemos rabinos da extrema direita e esquerda de nossa comunidade ortodoxa estudando Torá juntos na mesma mesa?” Gubbay disse durante a chivá do rabino Levy.

Quando se aposentou do púlpito aos 73 anos, suas realizações também incluíram o estabelecimento do primeiro micvê local.

Ele permaneceu ativamente engajado por meio de seus projetos Montefiore e ajudou a garantir o patrocínio do então príncipe Charles para o apelo de Bevis Marks, cujo novo centro de visitantes deve abrir ainda este ano.

Para ele, a histórica sinagoga é um testemunho das profundas raízes da comunidade judaica neste país e de suas tradições de integração. “A Inglaterra tem sido boa para os judeus e os judeus têm sido bons para a Inglaterra”, ele lembrava ao público em ocasiões cívicas.

Nada lhe dava mais satisfação do que as visitas semanais a Naima JPS para falar com as crianças, que manteve até ao verão passado.

Como lembrou um ex-aluno agradecido, sua marca registrada era um programa de estudos judaicos que “não nos dizia que havia apenas uma maneira de ser judeu ou que a maneira como vivíamos era errada, mas focava puramente em nos dar habilidades para viver como ortodoxos. Judeu”.

Ele perdeu Estelle, sua esposa de 56 anos, há três anos. Ele deixa seu filho Julian, quatro netos e um irmão e uma irmã.

Todas as famílias oriundas de Gibraltar, Reino Unidos, Suriname, Curaçao, e Brazil que chegaram de muitas superações e mazelas deixadas pela inquisição-cristiana-caólica romana perfurou até hoje as memórias de força ou hazaqa de um seleto grupo de Sefarditas que assim não somente pereceram no horror nazista, deixamos registro de nossas famílias S&P ou H&P (forma brasileira), dos que estão aqui mantendo a tradição e reconstruindo aos dilacerados, debilitados que cooptam estranhos ao costume e tradição e min´hag Hispano&Portuguez ocidental, deixamos um carinhoso registro e profunda admiração por este Ribi HaGaon e ´Hakham que soube registrar seus exemplos de amizade, Yahadut, benemerência para todas as famílias nossas como Cohen d´Azevedo, D´ Aguiar, Maciel, Lima, Duque, Umbelina Amram, Marques, Carneiro, Bensaud-Sampaio, Bar Bosa, Pinto da Silva, d´Silva, d´Oliveira, Sobrera, Freire HaCohen, d´Moura, Levy Castro, Castro, Ben-Zaken, Sequerra, d´Azevedo.

Registro de nosso Bet Midrachi Peer Yosef o registro de admiração que seja elevado sua nechama, Ribi HaGaon ´Hakham Abraham Levy OBE zal”tzal

Rabino Abraham Levy OBE : nascido em 16 de julho de 1939, falecido em 24 de dezembro de 2022

Sat, 24 December 2022  ( 1st of Tevet, 5783 )

  • א׳ בְּטֵבֵת תשפ״ג

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *