Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 2 Minutos

TZAV: Livre escolha: o resultado final

Aí vem a pergunta de um milhão de dólares1. Nós realmente temos livre escolha?

Sim?

Não?

A resposta é sim e não!

Não: A essência interior da alma está totalmente em harmonia com D’us. Todo judeu tem um desejo subconsciente de se submeter a D’us e cumprir Sua vontade por completo. Portanto, nenhum desejo inato pelo mal existe; porque tudo o que se pode fazer é bom. Nesse caso, não há livre arbítrio.

Sim: Quando olhamos para o nível consciente, há espaço para o bem e o mal. Não há impulso subconsciente para apenas um deles; o desejo interior da alma pelo bem está escondido atrás de muitas camadas e, portanto, o sinal é enfraquecido, como um sinal de celular. Este sinal é, portanto, suscetível à interferência das mensagens opostas dos instintos animalescos. Portanto, quando o bem é canalizado do subconsciente para o consciente, ele passa por tal mudança de modo que, quando vem à tona, temos livre arbítrio.

Disse o Rebe de Lubavitch, Rabino Menachem Mendel Schneersohn, que em geral, a Torá fala à nossa mente consciente. Dizem que devemos observar as Mitzvot 2 com plena consciência e consciência do que estamos fazendo. Assim, somos capazes de infundir em nossa vida diária normal uma consciência de espiritualidade.

No entanto, voltando ao nível consciente; somos suscetíveis à “interferência” da rede ou sufocados pelas limitações que o mundo físico representa.

Portanto, embora a maioria das mitzvot fale ao estado consciente da alma, D’us achou adequado estabelecer algumas mitzvot que servem como uma linha direta para o estado subconsciente interior da alma. Essas mitzvot especiais nos ajudam a ficar “online” com nosso compromisso subconsciente com o judaísmo, especialmente quando nossa observância consciente se torna tensa ou limitada.

A maioria das mitzvot são precedidas de Moisés por D’us dizendo “דבר” – fale, ou “אמור” – diga. Esses ditos conotam uma postura mais passiva, indicando que esses mandamentos são direcionados às camadas superficiais e conscientes da alma – nas quais existe o livre arbítrio.

Nossa Parasha é chamada de Tzav – צו – que significa “comando”. Este é um imperativo, o que indica que este tipo de mitzvah fala diretamente às camadas internas da alma. Essas mitzvot especiais estão incluídas em nossa parashá, daí o título; têm como objetivo ajudar a nossa identidade interior de compromisso inquestionável e desinibido com a fé judaica, e que esta essência interior deve servir em nossa vida cotidiana.


1 – NDT – O autor é americano, por isso o uso do valor em dólares.

2 – NDT – Mitzvá ou Mitzvah (mandamentos religiosos) , plural Mitzvot.



2 respostas

  1. Bom dia.

    Atualmente sou um “curioso” nas questões acerca do judaismo, e assim tenho acompanhado as matérias desta página.
    Primeiramente quero agradecer a disposição em disseminar este conhecimento e parabenizá-los pelo conteudo, o qual diga-se de passagem, ainda é muito distante da minha compreensão.

    Com relação ao texto acima, fiquei com uma dúvida que gostaria de compartilhar e se possível obter algum entendimento.
    Em determinado trecho do texto, está exposto que “o desejo interior da alma pelo bem está escondido atrás de muitas camadas”.
    Entendi que para transpor estas camadas e buscar atingir a essencia boa da alma é necessário praticar determinadas mitzvah.
    Minha dúvida como leigo que sou, é: quais ou o que são estas camadas? Como posso identifica-las e compreendê-las? VocÊs indicariam alguma leitura acerca?

    Agradeço desde já.

    1. Mazal tov por buscar conhecimento sobre o modo de vida judaico e agradecemos suas observações.
      Respondendo sua pergunta, o “desejo interior” escondido atrás de muitas camadas, refere-se a uma propensão do ser humano a buscar se ligar à espiritualidade, pois o desejo de saber quem somos, de onde viemos e para onde vamos é natural. Entretanto, as atividades relacionadas às coisas deste mundo, a materialidade, desvia a nossa atenção. Daí a necessidade de buscar equilibrar o “homem material” e o “homem espiritual” de forma a caminhar rumo à perfeição, ainda que isso seja um objetivo intangível.
      A melhor forma que o Eterno nos revelou aos judeus e que os sábios a adaptaram para este nosso mundo foi a observância da Thoráh através de uma série de obrigações (por ações e proibições) que nos conduzem a um condicionamento ético e espiritual.
      Se compararmos com um atleta maratonista, o treinamento não se limita a correr, mas é ampliado a uma série de exercícios físicos, dietas apropriadas e condicionamento mental. O atleta precisa passar por uma série de níveis de treinamento por um longo tempo para que realmente se torne apto para participar de uma competição e completá-la. Perceba que nem mesmo falamos em chegar em primeiro lugar, mas a vitória reside em completar esse difícil desafio.
      De modo similar, nossa “maratona espiritual” também requer treinamento em níveis. No início dessa jornada, nas camadas iniciais, sentimos dificuldades nos “exercícios” mais simples. A medida que avançamos em nosso “treinamento”, no cumprimento das mitsvoth, passamos a enfrentar novos desafios e aqueles, que no início pareciam insuperáveis, tornam-se fáceis e eventualmente triviais.
      Tal qual no campo da Educação Física, existem muitos “programas de treinamento”, todos são bons e tem vantagens e desvantagens. O programa de treinamento judaico chama-se “Thoráh e mitsvoth” e é o ideal para nós, judeus.
      Portanto, ao buscar um “metodo de treinamento” espiritual, confie nos “técnicos” e “preparadores”, estude e dedique-se. Os resultados surgem naturalmente e irão lhe surpreender.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *