Congregação Judaica Shaarei Shalom – שערי שלום

Tempo de leitura: 2 Minutos

(Rabino Yoel Lax)

A porção desta semana da Torá é intitulada Beshalach (Shemot/Êxodo 13:17-17:16) – que significa “mandado embora”.

A Torá afirma que o Faraó enviou o povo judeu para fora do Egito.

Por que o Faraó teve que enviá-los? Depois de anos de trabalho duro, eles não estavam extremamente ansiosos para partir?

Portanto, deve ser que havia aqueles judeus que não queriam partir. Eles não queriam se aventurar no deserto, um episódio potencialmente fatal. Assim, o Faraó teve que enviar o povo judeu para que aqueles que não estivessem tão interessados fossem forçados a partir, para seu próprio bem.

No entanto, como pode uma porção da Torá cheia das maravilhas mais notáveis ​​- a divisão do mar, o maná caindo do céu e até a água jorrando de uma rocha – receber o nome de um aspecto tão negativo? Todas essas maravilhas e milagres estão contidos em uma porção da Torá que expressa e destaca apenas os aspectos negativos do povo judeu!?

Diz o Rebe Lubavitcher, Reb Menachem Mendel Schneersohn, que o ponto aqui não é o envio do povo judeu pelo Faraó – mas o fato de que o povo judeu fez com que o Faraó os enviasse. Essa mudança, de um supremo tirano maligno para assistente do povo judeu, foi provocada pelos judeus que acreditaram em Moisés e seguiram a ordem de D’us. Eles não apenas venceram sua oposição, mas também conseguiram fazer com que o inimigo mudasse completamente de lado.

Portanto, Beshalach enfatiza não um copo meio vazio, mas um copo meio cheio. Não a fraqueza de alguns, mas a influência de muitos no mundo exterior.

Isso nos ensina uma lição fundamental que podemos aplicar em nossa vida diária.

Muitas vezes, vemos o mundo secular como apresentando obstáculos intransponíveis para manter um modo de vida judaico tradicional.

No entanto, não percebemos que esses mesmos obstáculos não são para nos fazer cair; eles devem nos elevar mais alto. Sem nenhum teste ou oposição não cresceríamos. Estaríamos contentes com o que somos e quem somos e não faríamos nenhum esforço para melhorar.

A lição é que não devemos permitir que os obstáculos nos derrubem. Pelo contrário, devemos garantir que os invertamos. O obstáculo deve se transformar em um trampolim, permitindo-nos ir mais longe, mais alto e maximizar o nosso potencial.

Isso é o que aprendemos com a porção da Torá sendo nomeada após o envio dos Filhos de Israel do Egito.

Shabat Shalom!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *